Blogs
Coloque uma Linda Imagem na Página Inicial do Google!




“Continuo buscando, re-procurando. Ensino porque busco, porque indaguei, porque indago e me indago. Pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar e anunciar a novidade”.
Paulo Freire





terça-feira, 2 de novembro de 2010

Projeto sobre Borboletas, água, literatura infantil, eu sou?? entre outros ...

Projeto: “Borboletas”

Objetivos

O que se espera que os alunos aprendam:

1- Desenvolver a capacidade de ler textos informativos e poéticos.

2- Conhecer as etapas de transformação de uma lagarta em borboleta
(metamorfose).

3- Usar a escrita e o desenho como recursos para organização sistemática de uma
história e socialização dos conhecimentos adquiridos. (Produção de textos tendo
o professor como mediador)

4- Colaborar com a preservação da fauna.

5- Valorizar o trabalho em grupo.

Formulação dos Problemas

Promover uma conversa sobre as borboletas, para saber o que os
alunos sabem como nascem as borboletas.

Desenvolver a troca de conhecimentos entre os alunos, sensibilizando-os para o
assunto e a importância da preservação da fauna.

Tempo da Atividade

De acordo com a turma.

Material

O que o professor deve garantir no decorre do projeto:

1- Selecionar, com antecedência, materiais sobre o assunto - textos, livros,
enciclopédias, vídeos.

2- Levar para a sala de aula livros e histórias (especialmente sobre as
borboletas) para os alunos consultarem e lerem sempre que preciso ou quando
quiser.
3- Favorecer as iniciativas individuais e coletivas, acolhendo as idéias dos
alunos e possibilitando que elas sejam colocadas em prática.
4- Garantir, sempre que possível, o trabalho em grupos, para que os alunos
possam ser parceiros de fato, colocando em jogo os saberes individuais, tanto
nas atividades de escrita como nas de leitura.

Sugestões de livros de poesias: A Arca de Noé, Vinícius de
Moraes. A Lagarta e a Borboleta. Eunice Braido. FTD. Lili, a Borboleta. Erdna
Perugine Nahum. Scipione. Pedro, de Bartolomeu Campos de Queirós. IBEP

Planejamento

1º Sensibilização

2º Concretização

3º Integração

4º Exposição

Temas Transversais


• Ética e Cidadania: Atitudes
de solidariedade, respeito,valores morais.

• Meio Ambiente: A
valorização e a proteção das diferentes formas de vida.

Execução

• Sensibilização:

As borboletas encantam tanto
as crianças quanto os adultos por ser um animal colorido e muito bonito. A
escolha deste projeto permitirá um contexto de estudo e pesquisa onde professor
e alunos ficarão envolvidos com a temática, permitindo às crianças conhecerem
como é a metamorfose das borboletas, proporcionando um momento de descobertas
significativas e prazerosas.

A confecção de um cinema com uma história criada pelos alunos será uma oportunidade onde os mesmos poderão sistematizar os conhecimentos adquiridos em classe e socializar com os seus
colegas e familiares.

No projeto Borboletas os alunos junto com o professor, trabalharão com diferentes tipos de textos,
imagens e outras fontes de pesquisa para a obtenção de informações sobre as
borboletas e como elas nascem.

• Concretização:

1- Promover uma conversa
sobre as borboletas, para saber o que os alunos sabem como nascem as
borboletas.

2- Promover a troca de
conhecimentos entre os alunos, sensibilizando-os para o assunto e a importância
da preservação da fauna.

3- Trabalhar com a poesia As
borboletas de Vinícius de Moraes.

4- Montagem da poesia que
estará em tiras. (Em dupla)

5- Apresentar um vídeo que
trate do assunto.

6- Desenho na tira do cinema
das etapas da evolução da lagarta em borboleta.

7- Produção de texto do aluno
(em dupla) sobre a metamorfose na tira do cinema. (escrita pelo professor)

8- Confecção do cinema em um
pote de margarina de 200g.

9- Apresentação da história
para os colegas da sala.


Produzir um cinema com uma história produzida pelos alunos sobre como nasce uma borboleta (metamorfose). Cada aluno terá o seu cinema para a exposição.

• Integração

O projeto será interdisciplinar envolvendo as disciplinas de língua portuguesa, ciências,
artes e os temas transversais: meio ambiente e ética.

• Exposição:

Exposição dos cinemas no pátio da escola.

Conclusões e Aplicações

A escolha deste projeto permitirá um contexto de estudo e pesquisa
onde professor e alunos ficarão envolvidos com a temática, permitindo as
crianças conhecerem como é a metamorfose das borboletas, proporcionando um
momento de descobertas significativas e prazerosas.


PROJETO ÁGUA

A vida na água

OBJETIVOS: conhecer diferentes tipos de seres que vivem na água. Conscientizar- se do papel do homem na preservação dos rios, lagos e mares

COMO SURGIU O TEMA? Durante o 1ª semestre, os alunos do Pré, desenvolveram o projeto: "A ÁGUA E SUA IMPORTÂNCIA PARA A NOSSA VIDA". Neste percurso, descobriram que: NA ÁGUA EXISTE MUITA VIDA !

E QUISERAM DESCOBRIR MAIS:

• Que tipos de peixes e plantas existem na água?
• Como os peixes nascem?
• Como os peixes respiram?
• Tudo o que vive na água sabe nadar?
• O que os animais que vivem na água comem?


COMO CAMINHAMOS ?
• Os alunos do pré retomaram os estudos do semestre anterior e repartiram o conhecimento construído com os alunos do jardim.
• Pesquisas em livros, revistas, vídeos, cds, sobre os diversos tipos de plantas e animais que vivem na água.
• Visita à loja de peixes e escolha do tipo de peixe para colocar no aquário a ser montado em sala de aula.
O peixe escolhido foi o lebiste, devido ser também encontrado nos rios da região, ser predador natural das larvas de mosquito (inclusive o da dengue) e por reproduzir rapidamente e em grande quantidade.

CONTEÚDOS UTILIZADOS NO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO

LIBERANDO A EXPRESSÃO
possibilidade de expressar o conhecimento construído através de:
• fala, mímica, dramatização;
• modelagem, pintura, dobraduras;
• desenho, escrita;
• elaboração de relatórios;
• criação de poesias e cantigas.
MATEMATICANDO A VIDA
Para resolver os nossos problemas e compreender as nossas descobertas, tivemos que buscar ajuda na matemática:
• contagem numérica
• as quatro operações
• medidas de comprimento
• medidas de capacidade
• noções de espaço

DESCOBRINDO A NATUREZA
Conhecemos diversos tipos de plantas e animais que vivem na água e aprendemos muita coisa sobre eles:
• características
• habitat
• utilidade
• reprodução
• alimentação
• locomoção
ENTENDENDO O HOJE NO TEMPO E NO ESPAÇO
compreendemos as diferença da vida na água:
• nos dias de hoje e antigamente
• nos lagos, rios e oceanos
aprendemos que as pessoas são responsáveis pela preservação da vida na água

SITUAÇÕES SIGNIFICATIVAS DURANTE O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO
1. CONSTRUÇÃO DO PAINEL "A VIDA NA ÁGUA"
2. MEDIDA DE COMPRIMENTO: Utilizando palitos de picolé, foram medidos os seis aquários existentes na sala de aula.
3. O nascimento dos filhotes dos Lebistes e a preocupação das crianças em separá-los da mãe para que não fossem devorados.
4. A descoberta dos "Poliquetas", minúsculos animais marinhos que vieram despercebidos, juntamente com as pedras e algas trazidos da praia.
5. A constatação de que a nossa estrela do mar tem seis pontas, considerando que todas as demais observadas no mar possuíam apenas cinco pontas.
6. A tristeza pelo desaparecimento de alguns espécimes, que serviram de alimento para outros. As anêmonas comeram os cavalos-marinhos; a ostra e os mariscos serviram de alimento para a estrela do mar.
7. A identificação dos machos e fêmeas dos filhotes de Lebistes.
8. A conscientização da necessidade de devolver o "Pepino do Mar" ao seu lugar de origem, uma vez que o mesmo produzia muita "sujeira" dentro do aquário.
9. A observação constante que as crianças fazem da vida existente em nossos aquários e a relação que estabelecem com as observações que fazem fora da escola: nas lagoas em suas casas, no rio que passa pelo bairro e nos passeios à praia com seu familiares.
10. Elaboração de um livro de poesias para os nossos amigos que vivem na água.
11. Criação de histórias sobre o nosso relacionamento com os animais que vivem na água.


PROJETO ÁGUA

I – JUSTIFICATIVA:

Reconhecendo a importância da água para a vida de todos os seres do planeta, e a iminente diminuição da mesma a cada dia, devido a problemas como: assoreamento dos rios, poluição, desperdício, foi escolhido esse tema visando sensibilizar e conscientizar o aluno, (este um transmissor de conhecimentos para toda a comunidade) atentando para o uso racional da água e da preservação do meio-ambiente, como forma de garantir uma fonte futura.

II- Conteúdos:

1. CONTEÚDOS CONCEITUAIS:

• Saber sobre a necessidade de se economizar água.

• Reconhecer a importância da água para a vida e suas diversas utilidades.

• Compreender o ciclo da água.

• Conhecer as causas da poluição da água.

• Identificar os cuidados que devemos ter com a água potável.

• Identificar o percurso da água do rio até as casas.

• Conhecer os estados físicos da água (sólido,líquido e gasoso)

• Perceber a existência de água no nosso corpo e nos alimentos.

• Conhecer as causas da atual diminuição das reservas d’água.

2. CONTEÚDOS PROCEDIMENTAIS:

• Ouvir histórias, poesias e textos informativos relacionados ao tema.

• Realizar experiências diversas com a água nos seus três estados.

• Se possível observar um rio poluído, e que faça parte do bairro.

• Observar as conseqüências dessa poluição no meio em que vive.

• Analisar contas de água das famílias dos alunos e discutir sobre o desperdício.

• Ouvir músicas, assitir a vídeos que tratem do tema.

• Visitar uma estação de captação e tratamento de água.

• Confeccionar maquetes e painéis relacionados ao tema.

• Realizar atividades diversificadas que envolvam todas as áreas do conhecimento.

3. CONHECIMENTOS ATITUDINAIS

• Economizar água nas diversas situações cotidianas em casa e na escola.

• Colaborar para a preservação da água no meio-ambiente.

• Ser um agente multiplicador de conhecimentos sobre a água e o meio ambiente em geral.

• Valorizar a água, percebendo sua importância para a vida de todos os seres vivos.

• Adquirir hábitos de beber água potável, ou seja, filtrada ou fervida.

II – OBJETIVOS GERAIS:

* Perceber a dependência dos seres vivos em relação ao meio ambiente, em especial a água.
* Reconhecer a ação do homem na transformação do meio ambiente, principalmente no que diz respeito à poluição e ao desperdício de água.

III- ETAPAS PREVISTAS

Linguagem oral e escrita

* Leitura de textos, histórias, parlendas, adivinhas que falem sobre o assunto.
* Produção coletiva de pequenos textos.
* Escrita espontânea.
* Cruzadinhas, caça-palavras.
* Atividades com alfabeto móvel.
* Entrevista com um profissional da rede de tratamento de água.
* Atividades diversificadas envolvendo a escrita de palavras significativas sobre o assunto estudado.

MATEMÁTICA

* Estatística (contas de água) (e porcentagem de água nos alimentos e no corpo).
* Noções de massa (pesado/leve), volume (cheio/vazio)
* Situações-problema envolvendo a água.
* Jogo com dado/trilha.

NATUREZA E SOCIEDADE

* Observação do ciclo da água.
* Conversa sobre o desperdício da água nas diversas situações cotidianas.
* Experiências diversas com a água nos estados : sólido/líquido/gasoso.
* Passeio ao redor da escola observando a ação da chuva no bairro e a ocorrência de esgoto a céu aberto.
* Experiência do pé de feijão.
* Vídeos que abordam o tema.
* Pesquisa de figuras que mostrem as diferenças entre a água limpa e a água poluída.

VISUAL

* Desenho livre e de observação.
* Recorte e colagem
* Dobraduras
* Releitura de obras de arte
* Modelagem com areia e argila
* Técnicas de pintura.
* Maquetes.
* Jogo da memória.

MÚSICA E MOVIMENTO

* Atividades diversas , músicas e cantigas relacionadas ao tema.
* Ginástica historiada (chuí, olha lá!).
* Circuito da água.
* Cd Xuxa, Guilherme Arantes.

AVALIAÇÃO

* Hora social e/ou exposição de trabalhos.

PROJETO: BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS DE ONTEM E HOJE
JUSTIFICATIVA:

Proporcionar as crianças momentos de convivência saudável, amiga, criativa e construtiva; pois através da brincadeira a criança atribui sentido ao seu mundo, se apropria de conhecimentos que a ajudarão a agir sobre o meio em que ela se encontra.

OBJETIVOS DO TRABALHO:
• Aumentar o repertório de brincadeiras infantil,
• Participar de situações de socialização,
• Participar de jogos que sejam trabalhadas regras em grupo,
• Construção de brinquedos com sucatas,
• Registrar de diferentes formas o brincar.

OBJETIVOS DIDÁTICOS:

- Ampliar as possibilidades expressivas nas brincadeiras, jogos e demais situações de interação.
- Explorar e identificar elementos da musica para se expressar, interagir com outros.
- Produzir trabalhos de arte utilizando a linguagem do desenho, da pintura, da colagem e da construção.
- Participar de variadas situações de comunicação oral.
- Participar de diversas situações de intercambio social.
- Estabelecer algumas relações entre o modo de vida característico de seu grupo social e de outros grupos.

CONTEÚDOS:

Movimento:
• Utilização expressiva intencional do movimento nas situações cotidianas e em suas brincadeiras.
• Percepção de estruturas rítmicas para expressar – se corporalmente por meio de brincadeiras.

Natureza e Sociedade:
• Participação em brincadeiras, jogos e canções que digam respeito às tradições culturais de sua comunidade e de outros grupos.

Música:
• Participação em situações que integrem músicas, canções e movimentos corporais.

Artes:
• Exploração dos espaços bidimensionais e tridimensionais na realização de seus projetos artísticos.
• Exploração e utilização de alguns procedimentos necessários para construção.

Linguagem Oral e Escrita:
• Uso da linguagem oral para conversar e brincar.
• Observação e manuseio de materiais impressos como livro e revistas.
• Valorização da leitura como fonte de prazer e entretenimento.
• Participação em situações cotidianas nas quais se faz necessário o uso da escrita.

ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS:

- Pesquisa junto às famílias sobre as brincadeiras da infância.
- Pesquisa em livros e na internet sobre a origem de alguns dos brinquedos e brincadeiras.
- Selecionar alguns brinquedos que possam ser construídos pelas crianças.(bilboquê, peteca, vai e vem, pião, cavalo de pau, e outros.).
- Coletar algumas sucatas para confecção dos brinquedos.


ETAPAS DO TRABALHO:

• Rodas de conversa (Quais os brinquedos preferidos?).
• Listar os brinquedos em cartaz.
• Roda de conversa (Qual a brincadeira preferida?).
• Listar as brincadeiras e escolher algumas para brincar.
• Pesquisar junto com as famílias sobre as brincadeiras e brinquedos do seu tempo de infância.
• Ler as pesquisas para as crianças e junto com as crianças selecionar algumas para brincamos.
• Propor para que as crianças desenhem algumas brincadeiras.
• Proporcionar oportunidade para que as crianças confeccionem alguns brinquedos.
• Escrever junto com as crianças regras de algumas brincadeiras para confecção de um livro de brincadeiras para acervo da escola. (texto coletivo).
PRODUTO FINAL:
- Exposição para os pais dos desenhos, pinturas e brinquedos confeccionados.
- Livro de brincadeiras.


Projeto : “Eu e o meio em que vivo”
Professora : Denise carvalho

Turma : maternal

TEMA

Eu e o meio em que vivo

PROBLEMATIZAÇÃO

Projeto Institucional

OBJETIVOS GERAIS

* Estudar a família de cada criança a fim de que conheçam melhor seus familiares e as pessoas que fazem parte do meio em que ela está inserida para que no futuro ela se sinta capaz de entender o meio em que vive, respeitando de forma crítica e questionadora as normas e regras que a norteiam.
* Adquirir conhecimentos das partes do corpo, identificando e nomeando-as

JUSTIFICATIVA

A imagem corporal que o indivíduo tem de si mesmo é o ponto de referência para todo o tipo de aquisição de conhecimento. É através do domínio do próprio corpo que irá estruturar e organizar o conhecimento do mundo exterior.

As atividades propostas possibilitarão aos alunos adquirir o conhecimento de si mesmo e de sua família, levando-os a descobrir-se, sentir que possuem um nome, uma identidade e que fazem parte de um conjunto de pessoas, em casa, na escola e na sociedade.

CONTEÚDOS

ATITUDINAIS

o Levar a criança a refletir ajudando-a a pensar;
o Fazer com que a criança adquira hábitos, atitudes e habilidades para melhorar sua convivência na escola, na família e sociedade;
o Conhecer o nome da criança;
o Identificar o próprio nome e o do colega;
o Conversar sobre quem faz parte da família;
o Estabelecer relações e diferenças entre a casa e a escola;
o Conhecer o próprio corpo;

PROCEDIMENTAIS

* Registro das partes do corpo (contorno das crianças com giz no chão)
* Colagem sobre um grande boneco de papel (identificar os olhos, a boca, o nariz, braços, penas etc...)
* Músicas que falem do nosso corpo e cuidados com ele;
* Mural com fotos da família;
* Confecção de uma “carteira de identidade”;
* Trabalhar a parlenda: “Sou pequenininho do tamanho de um botão...”( desenvolver a linguagem oral);
* Brincar de casinha dramatizando situações familiares;
* Dobradura representando a escola;
* Música “ A casa” Vinícius de Morais;
* Literatura Estória do Bonequinho Doce;
* Confecção de um álbum com algumas atividades desenvolvidas e ao final mostrar às crianças e relembrar cada passo do nosso projeto, assim elas poderão dar suas opiniões sobre o que mais gostaram, o que menos gostaram....

CONCEITUAIS

* Identificar a si mesmo, o próximo, o ambiente em que vive e o ambiente escolar;
* Estabelecer relação com a escola e a família;
* Fazer com que a criança seja capaz de perceber-se como um ser social e que possui uma história;
* Ampliar o vocabulário;
* Explorar diferentes afazeres artísticos, desenhando, colando e pintando;

DURAÇÃO

Aproximadamente três meses

AVALIAÇÃO

Contínua e processual

ROJETO CASTELO MÁGICO

Autora: Professora Jessica Waltter da Silva Costa
Turma: Maternal II

I - Objeto Detonador e Problematização:


Tema: Castelo Mágico

Tive a idéia de desenvolver um projeto que envolvesse castelos, por ser um tema pelo qual o grupo já havia demonstrado interesse.


II - Justificativa:

Os castelos fazem parte do imaginário assim como reis, rainhas, príncipes e princesas.
Estar aguçando a imaginação é papel da Escola e do educador.
Por isso aproveitei o interesse da turma por castelos, para trabalhar tantos outros temas.


III - Perfil do grupo:

Crianças de dois e três anos de idade, que demonstram grande interesse em criar, descobrir e participar.


IV - Objetivos:

Conceituais:

- identificar as letras da palavra castelo.
- reconhecer a quantidade de letras da palavra castelo.
- desenvolver habilidade auditiva e verbal.

Procedimentais:

- identificar as características específicas de castelos.
- registrar filmes.
- confeccionar o castelo.

Atitudinais:

- estimular o gosto pela criação e arte.
- desenvolver as habilidades de observar, comparar e classificar.


V - Janelas:

- linguagem oral e escuta.
- matemática.
- artes visuais.
- natureza e sociedade.


VI - Etapas:


1) Sentar na roda e mostrar figuras de diversos tios de castelos. Questionar o que são, quem vive neles, quais são reais e quais não são. Após mostrar as fotos, levá-los ao castelo da escola e deixar que o explorem.


2) Pesquisa: pedir aos pais que junto com os filhos procurem castelos em revistas e afins para exposição em sala.


3) Apresentar a palavra castelo no quadro, dizer os nomes das letras e quais são identificar as letras dos nomes dos alunos.


4) Passar o filme da Cinderela. Confrontar realidade e fantasia. Registrar.


5) Montar a história coletiva da Cinderela. Registrar.


6) Atividade com a palavra Castelo. Escrita espontânea.


7) Parlenda: Rei, capitão
soldado, ladrão
moça bonita
do meu coração.

Passar para uma folha grande, ilustrando, e expor na sala.


Enviar para os pais e pedir que trabalhem a memorização com as suas crianças.


Trabalhar a mnemônica: a galinha do vizinho. Fazer registros com material concreto da mesma. Depois, desenvolver atividade com a palavra castelo: Contar o número de letras e colar um palito de picolé para cada letra.


9) Construir jogos de memória e quebra-cabeças.


10) Introduzir a história do castelo:

(Patrícia Lages)

* "Num lugar muito distante, há muitos e muitos anos, havia um lindo castelo". Desenhar o castelo.
* "Lá morava uma família muito rica e muito grande. Também moravam muitos empregados, que trabalhavam felizes por todos os cantos do castelo". Colar homenzinhos para trabalharem com guache e bucha batida.
* "Bem de manhãzinha, a cozinheira se levantava para preparar o café. Todos ainda dormiam, mas ela já assava seus deliciosos Paes e biscoitos". Procurar
em revistas figuras de pães e biscoitos. Fazer colagem. Pedir que tragam
pães e biscoitos de casa e propor um piquenique "ao ar livre".
* "Logo aparecia o jardineiro, sentindo o cheiro das gostosuras preparadas pela cozinheira. Ela lhe dava uma caneca de café e um bocado de pão". Colagem
de flores de furador e desenho livre.
* "Em poucos minutos, todas as pessoas do castelo já estavam acordadas e
prontas para o café da manhã". Desenho e colagem de grãos de café.
* "Na enorme mesa da cozinha, todos sentavam juntos e faziam suas orações.
Em seguida tomavam seu café com muito gosto, elogiando tudo que comiam.
Depois da deliciosa refeição, cada um partia para seus afazeres".Colagem de
mesa e cadeiras e desenho do café da manhã e das pessoas.
* "O senhor do castelo ia cuidar de suas terras, sua esposa cuidava das crianças menores e do trabalho das empregadas e as outras crianças iam para a escola". Colagem de crianças e desenho.
* "Toda a família voltava a se reunir na grande mesa da cozinha na hora do
almoço e, à noitinha, sentavam numa linda e elegante sala de jantar para
cearem". Desenho com interferência.
* "Todos viviam felizes e contentes. O senhor do castelo era um homem muito
bom, pois ajudava todas as pessoas pobres da cidade. Ele da emprego, comida
e muita vezes até uma casa para morar". Colagem de um castelo e de várias
casas feitas de dobradura.
* "Toda a cidade amava os moradores do castelo e ficavam sentados em frente
dele nos finais de semana para apreciarem sua beleza" .Castelo trabalhado com
bombril.
* "A esposa do senhor preparava festas e banquetes, convidando a cidade para
desfrutar das delícias preparadas por sua fiel cozinheira" .Colar palitos de
picolé e cabeças de papel para criança completar o corpo.
* "As crianças do castelo, ensinavam seus convidados a montarem em seus
potrinhos e a tirarem leite das vacas".Procurar animais em revistas e colar.
* "As festas duravam vários dias e as pessoas que moravam muito longe,
podiam dormir no castelo até terminarem os festejos".Colar as camas e
desenhar as pessoas.
* "Os moradores do castelo sentiam felizes em poder dividir sua riqueza com
toda a cidade. Eles eram muito generosos".Colar as partes do rosto mostrando
felicidade.
* "Mas um dia chegaram nesta cidade, alguns homens muito maus".Desenhar de
preto.
* "Eles observavam a riqueza do castelo e tinham inveja de seus
donos".Colagem de um baú e de várias moedas.
* "Durante um das festas, o senhor do castelo convidou os homens maus, pois
sempre convidava todos".Colagem do castelo para as crianças colarem bonecos
com caras boas e ruins.
* "Os homens, porém, não quiseram ir, e disseram que iam fazer sua própria
festa".Desenho com proposta.
* "Enquanto todos dançavam e se divertiam, os homens maus se aproximaram e
puseram fogo em toda a plantação em volta do castelo".Colagem de celofane
amarelo e vermelho picados para representar o fogo
* "Bem depressa o fogo se espalhou e todos tiveram que correr para
fora".Colagem de bonecos e pintura do fogo (mistura de cores).
* "Toda a cidade chorava ao ver seu lindo castelo pegando fogo".Desenho de
um rosto chorando.
* "Na manhã seguinte havia uma grande nuvem de fumaça e não sobrou nada do
castelo tão querido. O senhor do castelo havia perdido tudo".Colagem do sol
e de areia.
* "Sua plantação, seus animais e suas lindas charretes".Colagem de
diferentes plantas que serão pedidas aos pais que enviem à escola.
* "Mas enquanto todos choravam, um dos homens bons da cidade gritou: Vamos
reconstruir nosso castelo! Faremos tudo de novo e ele será mais bonito do
era antes!" Castelo de palito de picolé.
* "Todos concordaram e pararam de chorar. Logo, a multidão estava reunida,
cada um com sua ferramenta, para começar a reconstrução".Colagem de
ferramentas.
* "O trabalho era duro, mas dia após dia, o castelo ia ressurgindo. Passado
um tempo, o castelo estava de pé, maior e mais lindo do era antes".A partir
do castelo pronto, montar mosaico.
* "Os homens maus foram embora muito envergonhados, pois todos sabiam que
eles foram os causadores daquele incêndio terrível".Desenho com cola
colorida.
* "O senhor do castelo ficou muito grato a toda a cidade e resolveu abrir o
castelo diariamente para que todos os povos pudessem conhecê-lo e caminhar
por suas salas e aposentos".Fazer as portas de papel para desenharem dentro
do castelo.
* "Muitos povos de lugares distantes vinham conhecer a grande obra
construída por toda a cidade e ficavam admirados".Colagem de bonecos e
bandeiras.
* "Assim, toda a cidade vivia feliz e contente em torno de seu
castelo". Pintar o castelo.




11) Confeccionar coroas.



12) Explorar vestimentas (tipos, cores, formas e tamanhos).



13) Trava língua: o rato roeu a roupa do rei de Roma.

Passar para a folha, ilustrando, para expor na sala. Enviar para os pais e pedir que trabalhem a memorização com seus filhos.

14) Para finalizar o projeto, construir castelo de sucata.

15) Apresentação de atividade para toda a escola.


VII - Avaliação:

Registro de observações, documentos e variados que constatem resultados.
Observar diariamente a participação e o desempenho dos alunos na realização das tarefas. Avaliar também a participação dos pais.

CASAS DIFERENTES
CONTAM
HISTÓRIAS DIFERENTES

Projeto desenvolvido com alunos de 5 e 6 anos Professora: Eunice Prüsse
.

OBJETIVOS

* Conhecer e respeitar os diferentes costumes das famílias, grupos e povos.
* Conhecer e identificar diferentes tipos de habitação.
* Compreender, dentro de um contexto histórico, como o homem interfere no ambiente e como é por ele influenciado.
* Organizar o espaço do nosso "Faz de Conta", de forma que atenda as expectativas dos dois grupos que o freqüentam (Jardim e Pré).

COMO SURGIU O TEMA ?

Estávamos encontrando dificuldades na organização do espaço que chamamos de "Faz de Conta". É o local onde se encontram as bonecas, louça, fogão, roupas, camas, carrinhos de boneca, sucata, ferramentas, máquina de escrever, computador, calculadora, relógio e muitos outros objetos que utilizamos na nossa vida real. Muitos desses objetos são imitações, outros verdadeiros que os pais ou amigos doaram e alguns construídos de sucata juntamente com as crianças.

Percebi que cada uma tentava organizar o espaço de acordo com os hábitos adquiridos na família e isso estava gerando uma série de conflitos entre o grupo. Da mesma forma a outra turma que ocupa este espaço(Jardim) reclamava da "desordem" que o Pré fazia no "Faz de Conta". Sentimos necessidade de definir o local onde ficaria cada objeto, sendo que os mesmos poderiam ser removidos à vontade, mas ao final da brincadeira colocados no local de origem.

Isso não foi tão fácil como pode parecer:

* Alguns queriam que a mesa de refeições ficasse próxima ao fogão... outros que se fizesse uma separação montando uma sala de jantar separadamente da cozinha.
* As ferramentas.. guardadas na cozinha? criar uma garagem?
* A máquina de escrever... ficaria guardada na estante para pegar quando precisasse? ou sobre a mesa que faria o papel de escrivaninha?
* As roupas... dobradas? penduradas?

Cada objeto foi questionado antes de se definir sua localização. Discutimos o fato de que em cada casa os hábitos são diferentes e que nós teriamos que encontrar o "nosso jeito de se organizar". As crianças se mostraram curiosas sobre como vivem e se organizam as pessoas em suas casas e assim nasceu o projeto: "Casas diferentes, contam histórias diferentes".

COMO CAMINHAMOS ?

1. A HISTÓRIA QUE A NOSSA CASA CONTA

1.1 - Elaboramos um instrumento de pesquisa, que as crianças levaram para ser preenchido pelos pais. Neste eles colaram uma foto ou desenharam a sua casa e contaram um pouco da sua história.

* de que material é construída?
* como é o espaço físico?
* quem vive nesta casa?
* o que fazem as pessoas que moram na casa?
* porque escolheram esta casa e este lugar para morar?
* qual o ambiente da casa onde mais gostam de ficar?
* e muitas outros dados foram colocados pelos pais

Um dado que chamou bastante a atenção foi o fato de que 12 das 20 crianças tem a sua casa construída no terreno que os pais herdaram dos avós. No período em que os pais trabalham fora são geralmente os avós que cuidam das crianças.

1.2 - Lemos a história de cada casa, olhamos as fotos e desenhos e reunimos todas, montando um livro que ficou na biblioteca da nossa sala.

1.3 - Cada criança desenhou a sua casa num pequeno quadrado de papel e com eles montamos um gráfico representando o tipo de casas do nosso grupo. Analisamos o gráfico depois de montado e observamos que:

* 11 crianças moram em casa de tijolos
* 08 crianças em casa de madeira
* 01 criança mora num sobrado
* existem mais casas de tijolos que de madeira
* na verdade são 12 casa de tijolos, pois o sobrado também é de tijolos
* existem menos casa de madeira que de tijolos
* precisaríamos construir mais 3 casas de madeira para igualar às de tijolos
* se derrubarmos 3 casas de tijolos também vamos ter a mesma quantidade que as de madeira

1.4 - Construímos em grupos, com sucata, uma casa de madeira, uma de tijolos e um sobrado.



2. A HISTÓRIA QUE UM PRÉDIO DE APARTAMENTOS CONTA

Refletimos com as crianças sobre o fato de todas morarem em casas e com amplo terreno, árvores, pastos, lagos, cachoeiras, uma vez que residem numa zona rural. Conhecem muito pouco a forma como vivem as pessoas na zona urbana. Apenas uma delas já esteve num apartamento.
A curiosidade em saber a história que um apartamento conta nos levou a dar o passo seguinte no nosso projeto.

2.1 - Conversa com a diretora da escola para saber das possibilidades para irmos visitar um apartamento no centro da cidade.

2.2 - Definição do apartamento a ser visitado. (O de uma colega de faculdade da diretora e que estava estagiando em nossa escola) Escolhemos este apartamento por conhecermos o bom relacionamento que a sua proprietária tem com as crianças; por situar-se bem no centro da cidade (muitas crianças nunca tiveram a oportunidade de irem até o centro); por ser um prédio alto e com elevador.

2.3 - Estabelecemos com o grupo as normas a serem cumpridas durante a visita e de posse da autorização dos pais, estávamos prontos para essa aventura.

2.4 - Visita ao apartamento:

* Fomos recebidos pela proprietária e pelo zelador do condomínio
* Conhecemos os espaços comuns a todos os moradores (quadra de esporte, piscina, churrasqueira, jardim, salão de festas, hall de entrada)
* Na garagem chamou a atenção das crianças o fato de que cada morador ter um espaço delimitado para estacionar o seu carro e que é nesse espaço também que "penduram" as bicicletas dos filhos.
* Fomos ver onde é depositado o lixo para ser retirado pelo caminhão e a casa de abastecimento de gás. O tamanho dos botijões e o fato do gás estar armazenado tão distante do fogão surpreendeu as crianças.
* A subida até o apartamento utilizando o elevador foi um dos momentos de maior espanto.
* Observar a rua da sacada do apartamento tornou-se a diversão do momento.
* Curiosos observaram todas as dependências do apartamento com muita atenção.
* O espaço destinado para secar as roupas foi outro ítem que estranharam bastante.
* As crianças se sentiram a vontade, conversando com a proprietária do apartamento e com o zelador.

2.5 - No dia seguinte na nossa "Roda de Conversa" comentamos sobre a visita feita, comparamos com a maneira de viver das crianças que moram em apartamentos com a maneira de vida do nosso grupo. Refletimos sobre as colocações feitas pela proprietária do apartamento sobre a necessidade de todos os moradores terem um bom relacionamento, de seguirem as normas estabelecidas e de colaborarem para o bom funcionamento do condomínio.

2.6 - Produzimos um texto coletivo, como forma de registrar a visita. (Reprodução do texto abaixo)
"Fomos visitar o prédio onde fica o apartamento da Servanda. É um prédio grande e muito alto.
O apartamento da Servanda, a sala, a cozinha e a piscina são muito bonitos. As roupas lavadas são penduradas dentro do apartamento para secar.
Nesse prédio moram 50 famílias. Cada família mora num apartamento. Para cada apartamento existe um lugar na garagem para guardar o carro. As bicicletas são penduradas nas colunas da garagem.
Tem lugares que todas as famílias podem usar: Salão de festas, piscina, churrasqueira, parquinho, quadra e sala de jogos das crianças. Na garagem ficam os carrinhos do mercado que todos podem usar. As reformas são pagas por todos que moram lá.
O elevador é muito legal. Ele sobe e desce, levando as pessoas para os apartamentos.
O gás fica numa casinha lá embaixo, dentro de botijões bem grandes e vai para os apartamentos pelos canos. tem uma sala de máquinas para limpar a piscina e uma com os motores para fazer o elevador funcionar.
Foi muito legal conhecer um prédio de apartamentos e a servanda nos ajudou muito.

2.7 - Construímos com sucata um prédio de apartamentos, colando a fota de cada criança na janela do apartamento por ela escolhido.

2.8 - Refletimos matematicamente sobre o nosso prédio de apartamentos e fizemos diversas constatações:

* que nosso prédio tem 5 andares, sendo 4 com apartamentos e 1, térreo, para a garagem.
* que cada andar tem 6 apartamentos.
* que nos 4 andares com 6 apartamentos temos um total de 24 apartamentos.
* cada criança situou-se de acordo com a localização do seu apartamento. (1º, 2º, 3º ou 4º andar; quais são seus vizinhos da direita, da esquerda, de cima e de baixo).


3. A HISTÓRIA QUE A CASA DO ÍNDIO CONTA

Continuávamos desenvolvendo o nosso projeto e estávamos a procura de outras histórias contadas por outras casas. Como se aproximava o "Dia do Índio", resolvemos descobrir que história a sua casa nos contava.
3.1 - Pesquisamos em livros, revistas e fitas de vídeo um pouco sobre a vida do índigena brasileiro na época do descobrimento: as diversas tribos, seu espaço, seus costumes, sua forma de sobrevivência

3.2 - Construímos com sucata uma oca

3.3 - Discutimos a colonização do Brasil e a conseqüente modificação na forma de vida dos índios que tiveram contato com os brancos.

3.4 - Reproduzimos num painel a invasão das terras índigenas.

3.5 - Selecionamos recortes de jornais que falam sobre a situação atual do índio brasileiro, discutimos sobre a mesma e montamos um álbum.

3.6 - Produzimos um texto coletivo dando a nossa opinião sobre a história que a casa do índio nos contou. (Reprodução do texto abaixo)

"Os índios eram muito felizes quando viviam nas suas ocas lá na floresta.
Eles tinham lugar para caçar, pescar, plantar e brincar muito.
Os índios não devem ser muito felizes nos lugares que estão morando hoje.
Muitos moram nuns barracos sem água, sem luz, sem cama e sem muitas outras coisas que precisavam.
Eles não tem dinheiro pra comprar comida e roupa e não podem mais caçar e nem andar sem roupas.
As crianças não vão à escola e andam muito sujas.
Eles estão precisando de ajuda, pois nem conseguem um emprego pra poder comprar o que precisam."

4. OUTRAS CASAS TAMBÉM CONTAM HISTÓRIAS

Através da observação e da pesquisa em livros, revistas e fitas de vídeo, discutimos, desenhamos e escrevemos sobre outros tipos de habitação e sua relação com o espaço geográfico, clima e época:

* "FAFECKHAUS" (Construção de origem germânica e ainda presente nesta comunidade)
* PALAFITAS
* IGLUS
* AS CONTRUÇÕES NA CIDADE DE VENEZA
* O ESTILO CHINÊS
* AS CAVERNAS

A discussão sobre as cavernas como a primeira moradia do homem, nos levou a programar um novo projeto que satisfaça a curiosidade das crianças em saber de que forma aconteceu a evolução do homem desde os tempos primitivos até os dias de hoje.

5. A CASA DE VINÍCIUS DE MORAIS

o Ouvimos, cantamos e declamamos a música e letra da poesia "A casa " de Vinícius de Morais.
o Ilustramos as estrofes da poesia.
o Lemos (do nosso jeito) a poesia.
o Reescrevemos a poesia(do nosso jeito).
o Procuramos, no grande grupo, solução para os problemas encontrados na poesia.
o Elaboramos em equipes de 5 crianças um livro contendo as soluções escolhidas para cada problema.
(Um dos livros elaborados: "A CASA ENGRAÇADA" pode ser visto no espaço dos Pinóquios. Não deixe de dar uma olhada. Se quiser ver agora, clique no título da história).

Na foto ao lado: Jenifer lendo "do seu jeito"a poesia de Vinicius de Morais.


6. A HISTÓRIA QUE A NOSSA CASA "DE FAZ DE CONTA" CONTA.

Organizamos o nosso "Faz de Conta" e contamos nossa história através de um texto coletivo:

O Faz-de-conta é o lugar onde nossa turma do Pré mora de brincadeira.
De tarde quem mora nele é a turma do Jardim.
Nós estudamos muito sobre os lugares onde as pessoas moram e já sabemos que um lugar é diferente do outro e que as pessoas vivem de jeitos diferentes.
Como aqui no faz de conta moram muitas pessoas, nós organizamos as coisas combinando tudo entre nós e com a Nice que é a nossa professora.
A Nice vai combinar as mesmas coisas com a turma do Jardim, para não dar encrenca e nem bagunça.
Todo mundo vai cuidar muito bem do Faz-de-conta, para ele estar sempre legal.

Projeto Sitio do Pica Pau Amarelo
Metas traçadas:

•Desenvolver um projeto coletivo envolvendo as turmas de Educação Infantil e Ensino Fundamental.
•Estabelecer uma parceria constante entre os profissionais, afim de obter cooperatividade.
•Instigar a curiosidade dos alunos e abrir espaço permanente para suas colocações.
•Proporcionar a integração entre as turmas na busca e na socialização dos conhecimentos.
•Atualizar a biblioteca escolar na medida em forem surgindo as necessidades.
•Envolver a comunidade e funcionários no projeto de pesquisa escolar.

Questão Orientadora:

É viável associar os conteúdos programáticos com a Literatura de Monteiro Lobato?
A obra de Monteiro Lobato poderá ser uma alternativa para despertar o interesse pela pesquisa, sem que seja descaracterizado o "ler pelo prazer de ler"?

Objetivo:

•Levar a Literatura de Monteiro Lobato ao conhecimento das crianças, demonstrando a importância da leitura, ajudando-as a perceber o quanto podem aprender de forma prazerosa.
•Oportunizar aos alunos da Educação Infantil o contato com a obra de Monteiro Lobato e os personagens do Sítio do Pica- Pau Amarelo.
•Estimular o interesse pela pesquisa.
•"Viajar" com a turma do Sítio do Pica- Pau Amarelo, em busca de novos conhecimentos

Nossa Caminhada:

•Escolha do tema.
•Coleta de materiais.
•Organização do espaço.
•Apresentação da obra de Monteiro Lobato às crianças.
•Explanação aos pais sobre a Pesquisa como princípio educativo e o tema a ser trabalhado.
•Desenvolvimento dos projetos em sala de aula.
“CERTEZAS PROVISÓRIAS”:

•A obra infanto- juvenil de Monteiro Lobato é de excelente qualidade.
•Na obra de Monteiro Lobato existem histórias adequadas para crianças de 4 a 6 anos.
•As crianças se identificarão com os personagens das histórias.

DÚVIDAS TEMPORÁRIAS:

•As histórias contadas em capítulos será uma atividade prazerosa para as crianças?
•As crianças conseguirão concentrar-se na leitura das histórias, visto as mesmas conterem poucas ilustrações?
•A fantasia, a curiosidade, a solução de problemas e a busca do conhecimento, fatores presentes nas histórias, despertarão o interesse pela pesquisa?

OS PRIMEIROS PASSOS:

Tendo definido um tema comum para desenvolver os trabalhos na Unidade Escolar durante o ano 2000, iniciamos as atividades organizando cooperativamente o espaço, para recebermos os alunos, decorando a escola com motivos referentes ao Sítio do Pica- Pau Amarelo. Buscamos desta forma despertar a curiosidade das crianças sobre os estranhos personagens de Monteiro Lobato.
Num segundo momento, realizamos uma reunião com os pais para levar ao seu conhecimento a proposta de se trabalhar a Pesquisa Escolar como Princípio Educativo e o tema escolhido para dar suporte às atividades. Sabíamos que seria indispensável a compreensão e a colaboração destes, para que o trabalho a que nos propúnhamos realizar, realmente acontecesse.
Iniciando o trabalho em sala de aula, "apresentamos" Monteiro Lobato e sua obra às crianças, manuseando os livros e comentando as ilustrações. Os alunos da 3a série, usando as fantasias adquiridas pela APP - Associação de Pais e Professores, apresentaram os personagens para as turmas de Educação Infantil. Montamos um livro com as figuras e descrição destes personagens, utilizando o material encontrado na INTERNET, no site do Sítio do Pica- Pau Amarelo
Definimos as histórias a serem contadas e a forma com que isso aconteceria, visto serem extensas e com pouca ilustração. "Reinações de Narizinho", "Caçadas de Pedrinho" e "Viagem ao Céu" foram as histórias selecionadas e optou-se por contá-las em capítulos, logo no início das aulas.
Os três livros deram origem a três projetos diferentes:
"O Reino das Águas Claras" , "Bicho Fera, Bicho Bom", "Brincando com o Universo"

O REINO DAS ÁGUAS CLARAS 02/05/2006 07:26
O PONTO DE PARTIDA:

As aventuras de Narizinho e seus amigos, no riacho existente no Sítio do Pica- Pau Amarelo despertou o interesse das crianças para o rio localizado nesta comunidade e desta forma foi definido o tema do nosso primeiro projeto de pesquisa deste ano.
Levantamos com as crianças o que sabiam e o que queriam saber sobre o assunto.

CERTEZAS PROVISÓRIAS

•Existe água em diversos lugares.
•A água do rio vem da cachoeira.
•Existe água de cores diferentes.
•Não podemos viver sem água.
•É perigoso tomar banho no rio.
•Existe peixes e outros bichos na água.
•O polvo e o tubarão são ferozes.

DÚVIDAS TEMPORÁRIAS:

•De onde vem a água das cachoeiras e das lagoas?
•Por que a água do mar é diferente da água do rio?
•Como o rio enche quando chove se a água vai para o mar?
•Os bichos do mar podem vir até o nosso rio?
•Quais são os bichos perigosos e os que não são perigosos que vivem na água.

POR ONDE CAMINHAMOS:

Buscamos respostas às nossas dúvidas nos livros, revistas e jornais; na INTERNET e Cd rooms; junto aos pais e familiares; com os demais alunos, professores e funcionários da escola.
Buscamos o contato com a água no rio da comunidade e na lagoa da casa de um dos alunos e organizamos um espaço com diversos tipos de água (do rio, do poço, da lagoa, da SAMAE, da cachoeira e do mar).
Fantasiamos com Monteiro Lobato montando num aquário o Reino da Águas Claras e experimentamos as receitas da Tia Anastácia, fazendo docinhos para as mães para o café que realizamos em sua homenagem.
Confeccionamos nossos Viscondes de Sabugosa com as socas de milho trazidas por um dos alunos
No desenvolver do projeto buscamos nas diversas áreas do conhecimento os conteúdos necessários para resolver nossos problemas e esclarecer as nossas dúvidas.

Estudamos a água (origem, diferenças, importância e cuidados) e os animais aquáticos (características e habitat). Trabalhamos com medidas de massa e capacidade. Contamos, juntamos e separamos. Registramos nossas descobertas através da escrita e do desenho. Expressamos o conhecimento adquirido através da fala, escrita, desenho, poesia, dramatização.
Encontramos as respostas para nossas dúvidas e aprofundamos o conhecimento das nossas certezas.

BICHO FERA, BICHO BOM ! 02/05/2006 07:27
O PONTO DE PARTIDA:

A leitura de "Caçadas de Pedrinho" direcionou nosso segundo projeto de pesquisa para os animais selvagens. Era consenso no grupo que as feras também eram animais bons. Só precisavam serem deixadas em paz para não prejudicarem o homem. Conhecer mais sobre esses animais deixou o grupo agitado e predisposto à pesquisa. As crianças tiveram, neste momento, mais facilidade em organizar suas certezas e suas dúvidas, que ficaram assim estabelecidas:

CERTEZAS PROVISÓRIAS

•Os animais selvagens são perigosos.
•Na África tem muitos animais ferozes.
•As pessoas matam os bichos selvagens.
•Os filhotes dos animais são mansos.
•Tem muitos tipos de animais ferozes.
•Na mata do nosso bairro tem animais selvagens.

DÚVIDAS TEMPORÁRIAS
•Por que as pessoas matam os animais selvagens?
•Existem onças e leões na mata do nosso bairro?
•Por que não tem rinocerontes, elefantes, girafas e cangurus na floresta do Brasil?
•Por que alguns bichos matam os outros?

POR ONDE CAMINHAMOS:

Buscamos respostas às nossas dúvidas nos livros, revistas e jornais; na INTERNET e Cdrooms; junto aos pais e familiares; com os demais alunos, professores e funcionários da escola.
Pesquisamos "in loco" o tema do nosso projeto e vivenciamos as aventuras da turma do Sítio do Pica- Pau Amarelo nos mais diferentes ambientes: no rio, no museu e no paraíso das aves do Seminário de Corupá, na casa de um dos alunos e na própria escola.
Fantasiamos com Monteiro Lobato construindo uma maquete sobre as Caçadas de Pedrinho. Encontramos outras alternativas para brincar com os estilingues dos pais e irmãos que não fosse atirar nos pássaros. Andamos de perna de pau, fugindo de feras imaginárias.
No desenvolver do projeto buscamos nas diversas áreas do conhecimento os conteúdos necessários para resolver nossos problemas e esclarecer as nossas dúvidas.
Compreendemos a importância de preservarmos as florestas e conhecemos a diversidade de árvores existente.

Conhecemos diversos animais, suas características e habitat. Trabalhamos com medidas comprimento, contamos, juntamos e separamos. Discutimos sobre os meios de comunicação e de transporte. Registramos nossas descobertas através da escrita e do desenho. Expressamos o conhecimento adquirido através da fala, escrita, desenho, dobraduras, poesia e dramatização
Tema: Em boca saudável não entra cárie!

Visando a conscientização e a valorização da saúde bucal, começando já na
educação infantil onde se mostra uma maior capacidade de absorção de
informações, são propostas às crianças, neste trabalho, ações educativas e
preventivas para que possam incorporar em seus hábitos de vida, os cuidados
relativos à boca e aos dentes.

II-Justificativa

Grande número de pessoas desconhece que cuidar dos dentes desde a infância
tem um efeito muito importante, Atitudes e hábitos adquiridos na infância
relativos aos dentes são críticos para uma boa saúde oral e de todo o
organismo no decorrer da vida.

III-Perfil do grupo

Crianças de cinco anos de idade, participativas e com grande interesse nas
atividades propostas.

IV-Objetivos

Conceituais
- Nomear os dentes;
- Reconhecer a existência de diferentes formas, tamanha e funções dos
dentes;
- Ampliar o vocabulário;
- Ler e interpretar imagens;
- Reconhecer o que faz bem e o que faz mal para os dentes.

Procedimentais
- Produzir trabalhos de artes;
- Explorar textos a partir do auto conhecimento;
- Coletar dados por meio de pesquisas e observações;
- Produzir textos;
- Desenvolver a capacidade criadora;
- Estimular a criatividade;
- Confeccionar: boca gigante, boca maluca, livro emborrachado, personagens
da história;
- Registrar experiências vividas pelo grupo.

Atitudinais
- Respeitar e valorizar a saúde bucal;
- Apreciar e ler vários tipos de textos;
- Desenvolver o auto conceito;
- Apresentar atitude de higiene.

V-Janelas

Linguagem oral e escrita;
Matemática;
Artes visuais;
Música.

VI-Etapas

1- Organizar as crianças em roda. Conversar sobre como cada uma cuida da sua
boca. Anotar uma pergunta de cada criança que será feita à dentista que virá
dar uma palestra.

2- Construir a boca gigante, onde iremos pintar, colar a língua e os dentes
nos devidos lugares. Fazer o registro


3- Levar às crianças até o espelho, pedir que abram a boca e, percebam
diferenças e semelhanças. Registrar.

4- Montar um cartaz com o que faz bem e o que faz mal para os dentes.
Procurar figuras em revistas para colar no cartaz. Expor na sala.


5- Visita da Dra. Eliane. Fazer o registro.

6- Mostrar para as crianças um molde de uma boca de adulto, dizer os nomes
dos dentes e suas funções. Perceber diferenças e semelhanças. Atividade de
liga ponto.


7- Atividade em folha: Observar o dente do colega e responder às perguntas.

8- Atividade em folha: Marcar com um x as afirmativas que dizem do que o
dente precisa para ficar sadio. Artes: Pintura com escova de dente.


9- Atividade em folha: Desenhar como os dentes ficarão se não cuidarmos
deles.

10- Atividade em folha: Responder às perguntas.

11- Atividade em folha: Música do dentinho. Ensinar para as crianças, fazer
a leitura com as crianças. Circular todas as palavras que rimam e copiá-las.

12- Atividade em folha: Cobrir os pontilhados dos objetos que usamos para
escovar os dentes. Colorir.

13- Atividade em folha: Procurar as palavras no caça palavras.

14- Atividade em folha: Procurar palavras que rimam com: BOCA, ALIMENTAÇÃO,
SAUDÁVEL.

15- Atividade em folha: Ligar às palavras aos seus desenhos.

16- Atividade em folha: Levar a pasta de dente até a escova, seguindo os
números na ordem crescente.

17- Atividade em folha: Ler o poema e responder às perguntas.

18- Atividade de observação em folha: As crianças irão observar suas bocas e
responder às perguntas,

19- Atividade em folha: Responder algumas perguntas.

20- Fazer a leitura da história do Zezeca e começa a produzir o livro.

21- Atividade em folha: Resolver a cruzadinha.

22- Pesquisa para casa: Procurar em casa e levar para a escola o rótulo do
creme dental que é usado pela família. Atividade em folha: Copiar o nome e
procurar em revistas as letras que formam o nome do produto.

23- Atividade em folha: Procurar em revistas as letras para formar as
palavras: CÁRIE, DENTES, MOLAR.

24- Atividade em folha: Responder à pergunta, Para que serve cada dente e
fazer a comparação.

25- Atividade em folha: Resolver os probleminhas matemáticos.

26- Confeccionar o quebra cabeça e montar.

27- Jogar dominó.

28- Confeccionar os personagens da história (teatro de fantoche)

29- Atividade em folha: Comparar a dentição dos animais e escrever qual se
parece com a nossa. Contar a história Dente( gente tem, animal também)

30- Atividade em folha: Pintar as figuras que mostram o que é bom para os
dentes.

31- Atividade em folha: Ligar as figuras às respectivas frases.

32- Jogo da trilha.

33- Confeccionar a história do livro emborrachado. Fazer a cópia.

34- Atividade em folha: Texto sobre a cárie, fazer o registro.

35- Atividade em folha: Formar frases com as palavras: BOCA, FIO DENTAL.
GENGIVA, MAU HÁLITO. Fazer a cópia.

36- Atividade em folha: Copiar as frases que indicam os cuidados com os
dentes.
- Escovar os dentes após as refeições, na hora que acordar e antes de
dormir;
- Usar o fio dental;
- Visitar o dentista a cada seis meses;
- Não usar escovas estragadas.

37-Finalizar o projeto com a apresentação do teatro.
VII-Avaliação

Ao longo de todo o processo, através das atividades desenvolvidas, das
brincadeiras e conforme o interesse de cada criança.
Projeto Histórias Infantis -


- Objetivos

Conhecer diversas Histórias infantis;

Utilizar a técnica de dramatizar e fazer recontos;

Oportunizar a criatividade, imaginação, humor,ilusionismo;

Desenvolver habilidades sociais;

Desenvolver o hábito de ouvir com atenção;

Enriquecer e ampliar o vocabulário;

Intervir, posicionar, julgar e modificar subvenções sociais;

Desenvolver o pensamento lógico e a rapidez de raciocínio;

Criar atitudes desejáveis;

Permitir a livre expressão.

Formulação dos Problemas

Quais são as leituras que vocês preferem: gibis, livros de histórias, histórias em quadrinhos, poemas, etc.?

Vocês sabem algum história?

Vocês lêem jornais ou revistas? Quais?

Tempo da Atividade

36 horas (módulos de 3 horas)

Material

Para as oficinas: usar material reciclado como retalhos de tecido, papéis coloridos, pratos de papelão, saquinhos de embalagens, fitas, brocal, embalagens diversas, durex colorido, tinta guache, cola colorida, lápis de cor, giz de cera, canetinhas hidrocor, lã, etc.

Para as apresentações das histórias: vídeo, aparelho de som, livros de literatura, C.D.,teatro, (apresentações feitas por turmas mais velhas, da própria escola).

Para a apresentação da teia de histórias: tapete, almofadões, aparelho de som com música suave, incenso, baú ou caixa grande de papelão enfeitada com brilho, estrelas, lua.

Para a avaliação: Papel, lápis, lápis de cor, giz de cera.

Planejamento

Apresentação:

1º Módulo:

Procurar conhecer quais as histórias infantis que mais interessam à turma.

Planejar oito histórias e a maneira de serem apresentadas:

* Branca de Neve e os Sete Anões – vídeo

* Dona Baratinha – Contada

* João e Maria – Leitura

* Os Três Porquinhos -C D

* Cinderela – vídeo

* A Bela e a Fera – teatro

* O Príncipe Sapo – contada

* Chapeuzinho Vermelho – teatro

(Cada história será apresentada em um dia, e o procedimento será o mesmo, em todas as apresentações)


Apresentar a história; fazer o reconto conjunto, interpretando a história; traçar o perfil dos personagens principais; copiar o nome da história no caderno ilustrando-a.

2 º ao 9º Módulo: apresentação e interpretação das histórias.

10º e 11º Módulos:

Preparar material de artes para a dramatização das histórias. Serão duas oficinas de fantoches, máscaras, acessórios e objetos que caracterizam as histórias apresentadas. Exemplo: maçã da Branca de Neve, máscara do Lobo Mau, chapéu de Bruxa, varinha mágica da Fada, espelho mágico da Madrasta, Sapatinho da Cinderela, Caixinha com moeda de Dona Baratinha, Coroa do Príncipe Sapo, Fantoches dos Três Porquinhos, capa do Chapeuzinho Vermelho, rosa encantada da Fera, saquinho com as pedrinhas de Joãozinho, coroa de Princesa.

Temas Transversais

Ética:
Diálogo, respeito mútuo, responsabilidade, cooperação, organização, solidariedade. Trabalho coletivo,compartilhar descobertas.

Pluralidade Cultural: Educação – Diferentes formas de transmissão de conhecimento: práticas educativas e educadores nas diferentes culturas; Cidadania: Direitos e deveres individuais e coletivos. Literatura e tradição: línguas, dialetos, variantes e variação lingüística.

Execução

Desenvolvimento:

Das oficinas: Usar material reciclado para confeccionar as fantasias e adereços. Os moldes já serão entregues devidamente riscados e cortados. Os alunos se dividirão em grupos de trabalho e orientados por professora e estagiárias, executarão as atividades estipuladas.(Algumas peças já se encontrava à disposição da turma, adquiridas anteriormente, pela escola).

Das apresentações das histórias: Propiciar aos alunos um ambiente aconchegante e confortável para conhecer as histórias, observando o planejamento das atividades.

Da teia de histórias: Desafiar os alunos a fazerem o reconto de todas as histórias ao mesmo tempo, numa mistura aleatória de personagens. Fazendo uso do tapete, almofadas, música e incenso, preparar um ambiente propício e agradável.


Colocar no baú as fantasias e acessórios confeccionados e numerados, afixando na tampa do mesmo, uma lista apenas com o número de peças nele contidas.(Ao colocar as peças , exibi-las novamente às crianças relembrando a quem pertencem, de que história foi retirada, seu uso na história, etc).

Quando todas as crianças estiverem acomodadas no tapete, a professora iniciará a história:

Era uma vez, num bosque rodeado de lindas montanhas, onde dezenas de pássaros cantavam nos galhos floridos das árvores e agitavam suas asinhas num vôo apressado na busca de frutinhas para alimentar seus filhotes a piar nos ninhos. Naquela tarde ensolarada e perfumada de primavera, debaixo de um ipê amarelo, bem ao lado de um límpido lago, encontrei........

Aí a professora toca uma das crianças e ela dirá um número, retirando do baú a peça correspondente, continuando a história com o que lhe remete na lembrança, o objeto vindo do baú. A criança dará asas a sua imaginação para colocar o objeto ou o personagem sorteado na história, continuará contando um pedacinho, depois tocará outra criança e esta deverá dar seqüência com outro objeto. A história prossegue até todos os objetos e personagens forem usados ou até quando as crianças permanecerem interessadas.

Conclusões e Aplicações

Avaliação:

Ao final de cada módulo, professor e alunos farão suas observações e avaliações, oralmente. Terminando por desenharem o que sentiram com as atividades, o que mais gostaram, ou como gostaria

PROJETO: ESTRUTURA CORPORAL

MATERNAL I E II

1º Parte

Objetivos do Projeto:

• proporcionar o conhecimento das partes do corpo, nomeando-as, higienizando-as e reconhecendo sua importância;
• exercitar a observação das características das pessoas, evoluindo no seu traçado em busca de uma representação mais fiel;
• identificar a função de determinadas partes do corpo;
• valorização e apreciação das produções em grupo;
• amenizar a postura egocêntrica desta faixa etária.

Conteúdos Conceituais:

• construção da estrutura corporal;
• cuidados e higiene com as diversas partes do corpo;
• respeito e cuidados com o amigo

Conteúdos Procedimentais:

1. Roda de conversa sobre a estrutura da figura humana: escolher um aluno para que as crianças o observem e relatem quais as partes do corpo eles conseguem observar: olhos, nariz, boca, etc.
2. Dramatização das partes do corpo, começando pelo rosto, através da brincadeira:
• Brincar com as crianças recitando o versinho, identificando os olhos, boca e nariz;
• Com a ajuda de um espelho, as crianças identificarão no próprio rosto as partes que o compõem ao som de cada verso da brincadeira;
• Pedir às crianças que, com cuidado, indiquem nos colegas as partes recitadas.
3. Desenho coletivo de um rosto: cada criança desenhará uma parte do rosto, identificando com os colegas o lugar correto de onde se encontra parte a ser desenhada.
4. Desenho do rosto de um colega da sala.
5. Roda de apreciação: cada criança apresentará seu desenho ao grupo, dizendo quem desenhou. A professora deverá questionar o desenho, perguntando detalhes como, por exemplo, onde estão os olhos, a boca, etc.
6. Roda de conversa sobre “Os cinco sentidos” (visão, audição, olfato, paladar e tato): a importância dos sentidos, como nos auxiliam diariamente, cuidados necessários e higiene.
7. Visão: utilizando papel celofane de diferentes cores, as crianças poderão apreciar o ambiente colorido.
8. Audição: recreação dirigida - brincar com as crianças de “Gato mia!”.Venda-se os olhos de um aluno que será o caçador. Cantar a músicas.
Ao som do ultimo verso, a professora indicará um aluno, que será o gato e deverá dizer “miau!”. O “aluno caçador” tentará descobrir quem de seus coleginhas é o gato.
9. Olfato: estimular o olfato com diferentes cheiros de frutas. Vendaremos os olhos dos alunos para que sintam o cheiro e tentem adivinhar qual alimento estão cheirando.
10. Paladar: as crianças degustarão diferentes tipos de alimentos, doces e salgados, com os olhos vendados. A professora questionará os alunos sobre alimentos que experimentarem: se é gostoso, se já haviam provado, em que local, e deverá adivinhar o nome do alimento

11. Culinária: escolher uma receita prática para desenvolver com os alunos. Enfocar os cheiros dos ingredientes, o estado que se encontram antes e depois de misturados, etc.
12. Tato: exploração das mãos: para que servem, quantas temos, o que vemos nas mãos, quantos dedos, higienização, etc.
13. Manusear diferentes tipos de texturas com os alunos (macia, ásperas, objetos sólidos, líquidos, etc.) e temperaturas (quente e frio).
14. Carimbo das mãos com tinta guache.
15. Exploração dos pés: Para que servem, quantos temos, quantos dedos em cada pé, higienização, etc.
16. Desenho do contorno dos pés e pintura livre.
17. Recreação dirigida: vamos brincar de “Adivinhe o que é?!”. A brincadeira consiste em o aluno, com os olhos vendados, adivinhar o nome do objeto que estará apalpando com os pés.
18. Exploração das outras partes do corpo: ombros, braços, pernas, etc. para que servem, quantas temos, no que nos auxiliam, etc.
19. Desenho coletivo de um corpo. Cada criança desenhará uma parte do corpo indicado pela professora.
20. Recreação dirigida: as crianças poderão explorar os diferentes movimentos do corpo brincando de “Estátua”. A brincadeira se inicia ao som de uma música, deverão ficar imóveis, ou seja, sem se mexerem. Variar os ritmos musicais.
21. Desenho com interferência de revista: as crianças deverão completar o que está faltando no desenho.
22. Recreação dirigida envolvendo estrutura corporal: Vamos cantar a musica “Cabeça, ombro, joelho e pé”, indicando as partes do corpo citadas nos versos.
23. Com o contorno de uma das crianças fazer um boneco de pano para ser mais um integrante do grupo. Assim que o boneco ficar pronto, as crianças colocarão feltro para dar a estrutura de um boneco. Faremos olhos, nariz e boca com caneta para tecido e o cabelo será feito de lã.
24. Roda de conversa: decidir se o boneco será menino ou menina, e escolher um nome para ele.

25. Depois de decidido o nome do boneco, pedir para as crianças doação de roupas para ele: cueca ou calcinha, meia, tênis e um uniforme do colégio (ver a possibilidade da escola doar o uniforme).
26. Estabelecer com o grupo regras de cuidados com o boneco, tais como: não molhar, pois ele é de pano, não sujar, etc.
27. Desenho de como ficou nosso boneco pronto.
28. Recreação dirigida envolvendo estrutura corporal: as crianças e a professora irão se movimentar, indicando as partes do corpo que a música indicará: música “Foi à feira”.
29. Toda sexta-feira, sortear uma criança para levar o boneco para a casa. Na segunda-feira a criança deverá trazer de volta o boneco, a folha de registro de como foi o final de semana, escrita pelos pais do aluno e fotos para socializar em roda com o grupo.
30. Desenho de observação das professoras: cada criança poderá escolher uma professora da sala para desenhar.
31. Roda de apreciação: cada criança deverá apresentar seu desenho ao grupo, dizendo quem desenhou. A professora deverá questionar o desenho, perguntando detalhes como: onde estão os olhos, a boca, as orelhas, etc.
32. Desenho com interferência de revista: as crianças deverão completar o que está faltando.
33. Recreação dirigida envolvendo estrutura corporal: “Mamãe mandou”. A brincadeira se inicia quando as crianças estarão espalhadas pelo pátio e a professora diz “mamãe mandou” e as crianças perguntam “o que?”, e então a professora dará o comando “rastejar pelo chão”, e todos fazem. Variar a brincadeira com diversos movimentos: pular, virar cambalhota, andar para o lado, etc.
34. Organizar com as crianças as fichas de relato dos pais e as fotos para montar o livro de registro.
35. Combinar com o grupo a capa do livro e providenciar os materiais necessários para confeccioná-la.
36. Roda de apresentação: mostrar aos alunos o livro concluído e relembrar cada passo do nosso projeto. Os alunos darão suas opiniões sobre: o que mais gostaram de fazer, o que menos gostaram, etc.

Conteúdos Atitudinais
• compartilhar descobertas;
• respeitar a opinião dos colegas de classe;
• respeitar e cumprir os combinados;
• valorizar produções individuais e em grupo.

Culminância: Livro com registro e fotos trazidos pelos alunos, fotos e relatos do trabalho desenvolvido em sala de aula, desde a confecção do boneco às atividades realizadas.

2º Parte
Desenvolvimento do Projeto

Escolha do modelo para confecção do boneco

A escolha da criança modelo foi definida a partir do conceito grande, pequeno a professora perguntou para as crianças se elas gostariam de ter um novo amigo ou amiga em forma de boneco, que fosse grande ou pequeno, e, elas responderam que queriam um pequeno. No primeiro momentos, todas indicaram seu próprio nome, então houve intervenção da professora, dizendo que era preciso escolher um amigo(a) e nesse momento as crianças apontaram a Isabella para ser o modelo, pois elas falaram que a Isabella era pequena.
Em seguida contornamos o corpo da Isabella no papel Kraft.

Escolha do sexo e do nome

As crianças decidiram que o boneco será do sexo masculino.
A escolha do nome foi um pouco confuso, pois as crianças não conseguiam falar nenhum nome próprio, então a professora interviu citando alguns nomes, como por exemplo: Marcelo, Alexandre, Fábio, Gabriel, João, Manuel, etc.
Por fim o nome foi: João.

Construção do boneco no pano

Pegamos nosso molde (da criança escolhida) e começamos a confeccionar nosso boneco. Coloquei o molde do papel Kraft em cima do pano e contornei, depois irei cortar o pano e começarei a costurar.
Não costurei tudo com as crianças, somente um pouco para que elas entendam o processo de confecção.
Momento registrado com foto.

Enchimento do boneco

Pegamos o molde do boneco de pano vazio e enchemos de manta acrílica. As crianças ajudaram o enchimento pegando a manta acrílica em pedaços e dando para professora.
Momento registrado com foto.

Construção do rosto e cabelo do boneco

Neste momento as crianças não devem participação, pois a professora mexeu com cola quente e agulha, sendo assim mais seguro para crianças.
Após o boneco ficar pronto cada criança vai passar o fim de semana com ele.
Momento registrado com foto.

3º Parte

Momento registrado por fotos

• CONTORNO NO PAPEL KRAFT E NO PANO.

• FINALIZACAO DA CONSTRUCAO DO BONECO DE PANO.

• APRESENTACAO DO BONECO DE PANO

Curiosidade
O grupo se envolveu tanto com a atividade que até matrículado na escola o boneco foi....

E tem mais, quando eu perguntava quem foi que fez algo errado, o coitado do boneco levava a culpa...rs


JUSTIFICATIVA

Este tema surgiu a partir da observação de uma semana da rotina das crianças do C4. A faixa etária que se encontram é entre 5 e 8 anos de idade.
Esta turma é especial, pois estamos falando de alunos que passam o dia inteiro na escola e com a carga horária estendida, por freqüentarem a Educação Bilíngüe, no Junior 1 e Junior 2.
Pude perceber que as crianças no período complementar, ainda têm um horário pré-estabelecido, que não propicia o descanso e o lazer. Sendo assim, há a necessidade de envolvê-los em situações práticas e do seu cotidiano, algumas regras básicas para conviverem em locais públicos e no contexto familiar, de forma tranqüila e que não sobrecarregue este nosso aluno.
Além disso, a maior parte da vida desta criança é na escola, devido a grande demanda dos pais terem que trabalhar o dia inteiro, fora de casa. Pensando nesta perspectiva, o projeto tem a intenção de conscientizar os nossos alunos a terem bons hábitos no convívio social e auxiliar a família a lidar com esta realidade em que nos encontramos, ajudando-os nas reuniões trimestrais ou individuais, como agir em casa sem perder o controle da situação, colocando limites com diálogo e exemplos do seu dia-a-dia.
O projeto terá três etapas, uma por trimestre, sendo que o mesmo não está totalmente fechado, pois as crianças serão os co-autores, trazendo sugestões e opiniões que serão de grande relevância durante o ano letivo.
Desenvolvendo Bons Hábitos será mais do que atividades, pois refletirá em diversas áreas do conhecimento, bem como no processo de aquisição de bons hábitos, valores e uma mudança de comportamento significativa na vida de nossos alunos.

OBJETIVOS GERAIS

- Despertar a percepção do outro, mostrar o porquê da existência de regras de convívio e os reflexos negativos e positivos de suas atitudes em sua vida social.

ETAPAS

1º Trimestre: Na escola

2º Trimestre: Com a família

3º Trimestre: No Meio Ambiente

NA ESCOLA

Objetivos

* Estabelecer os combinados da sala e refletir sobre os mesmos de forma que organize o nosso dia, pois assim sobrará tempo para o lazer e momentos de descanso;
* Entender que estas regras servem para melhorar o nosso dia-a-dia e que não sejam vistas como negativas e ou punitivas, pelos alunos;
* Cuidar da organização do espaço físico da sala de aula, de outros ambientes da escola e seus pertences;
* Respeitar os amigos e funcionários da escola, principalmente quando estiverem no refeitório, no horário do almoço e jantar;
* Comer suas refeições devagar, mastigando bem os alimentos, não falando de boca cheia.
* Evitar o desperdício dos alimentos;
* Usar os talheres e guardanapos de forma adequada;
* Utilizar expressões de cortesia, como: com licença, por favor, obrigado.

Recursos

Livros paradidáticos, folha sulfite, canetinha, giz de cera, E.V. A. quadra, parque, palito de sorvete e canson.

Atividades

* Combinados da sala;
* Confecção do quadro de horários;
* Construção de jogo americano para o lanche da tarde (aula de artes);
* Confeccionar placas de avisos e regras que devemos seguir;
* Momento de organização da mochila;
* Banco de palavras: Expressões de Cortesia;
* Dramatizar situações do nosso dia-a-dia que sinalizem atitudes corretas;
* Debate/Assembléia.

Procedimento

O dia mais livre que temos são as sextas-feiras, então faremos a roda de conversa.

Neste momento, discutiremos os assuntos que deram ou não certo durante a semana, na assembléia.

Será proposto para as crianças que citem, reflitam e quais as soluções que podemos encontrar para resolver o(s) problema(s).

Logo em seguida, registraremos em forma de cartaz.

Avaliação

Faremos listas, desenhos e cartazes, semanalmente, para acompanhar a evolução do processo.

Estarei mediando e orientando o grupo. Este fator auxiliará no relatório individual do aluno.

Bibliografia de Apoio

- Se a Criança Governasse o Mundo...

Marcelo Xavier

Editora Formato

- Diversidade

Tatiana Belinky

Quinteto Editorial

- Mariana do Contra

Rose Sordi

Editora FTD.

Obs: Aceito sugestões de livros a respeito de bons hábitos que devemos ter a mesa.

COM A FAMÍLIA

Objetivos

* Perceber que o adulto da relação é a mãe, pai ou responsável;
* Entender que como na escola, em casa e com a família, existem regras em diversas situações, como: quando vamos a um restaurante, parque, cinema, teatro, entre outros;
* Perceber que o adulto, normalmente, tem uma maior experiência, mas que não são perfeitos e que todo mundo erra;
* Lembrar que o pai e a mãe, por mais que estejam “bravos quando dão uma bronca”, eles o amam incondicionalmente, pois amor de pais e filhos é para sempre;
* Buscar estratégias de como falar algo que incomoda para os pais.

Recursos

Livros paradidático, folha sulfite, lápis grafite, canetinha, cartolina.

Atividades

* Dramatizações de situações reais;
* Desenhos sobre bons hábitos em locais públicos;
* Assembléias (discussão e debate);
* Atividades sobre o livro paradidático (adotado para o C4).

Procedimentos

As sextas-feiras farão assembléias para discutirmos algo que aconteceu durante a semana em casa que a criança não se sentiu confortável. A criança expondo os seus problemas poderemos debater com o grupo e assim auxiliá-lo a compreender melhor a situação. Não direi o que está certo ou errado, mas o momento será de reflexão em busca de soluções, em grupo.
Além disso, faremos desenhos de Bons e Maus Hábitos que eles podem vir a ter em diversas situações, como em locais público, aniversário de amigos, visita a parentes, entre outros.
Dramatizaremos as situações do dia-a-dia e com o auxílio dos pais, solicitarei que os mesmos enviem roupas e acessórios para complementar o nosso trabalho.

Avaliação

Checagem em forma de pesquisa com os pais se houve uma mudança no comportamento da criança. Assim teremos o antes e o depois com a participação efetiva dos pais.

Observações

*Montar um questionário para os pais, com antecedência, para a verificação do antes e do depois do início do tema.
*Pedir em um bilhete roupas e acessórios usados pelos pais que possam ser utilizados pelos alunos na escola.

Bibliografia de apoio

- O Menino que Chovia

Cláudio Thebas

Companhia das Letrinhas

- A gente pode... A gente não pode

Anna Claudia Ramos e Ana Raquel

Difusão Cultural do Livro

*Sugestão para ser adotado para o C4:

- Ninguém é Igual a Ninguém

“O Lúdico no Conhecimento do Ser”

Regina Otero e Regina Rennó

Editora do Brasil

NO MEIO AMBIENTE

Objetivos

* Conscientizar o aluno quanto à preservação da natureza;
* Cuidar das nossas paisagens, através de conversas e pesquisas;
* Evitar o desperdício de água e energia elétrica;
* Compreender a importância da reciclagem;
* Distinguir os tipos de poluições: sonoras e visuais;
* Sinalizar os perigos no trânsito e compreender o porque da importância de se ter uma Educação no trânsito.

Recursos

Folha sulfite, DVD, confecção de cartaz, revistas, cola, lápis de cor, giz de cera e livro paradidático.

Atividades
* Assembléia: (discussão e debate);
* Confecção de cartazes com paisagens: praia, campo e cidade;
* Pesquisa em revistas;
* Lista de Bons Hábitos com relação ao Meio Ambiente;
* Lista: O que podemos fazer contra o desperdício de água e energia;
* Fabricação de jogos e brinquedos com sucata e ou materiais recicláveis;
* Escrever um manual com informações sobre Educação no Trânsito.

Procedimentos

Os assuntos sempre serão abordados nos momentos livres e partindo da roda de conversa ou em Assembléias para tratarmos dos itens descritos acima.
As crianças participarão com suas opiniões, desenhos, pesquisas, entre outros, para assim tentar conscientizá-lo a ter Bons Hábitos com a Natureza.

Avaliação

As crianças criarão um manual, contendo procedimentos e dicas para cuidar do Meio Ambiente.

Bibliografia de apoio

- De Olho nos Sinais: Uma História pela Educação no Trânsito

Julieta de Godoy Ladeira

Atual Editora
Obs: Aceito sugestões de mais livros ou sites que tratam deste tema.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

1 – Feira de Arte e Cultura: Pesquisa sobre os hábitos e costumes de outros países.

* Sortear os países entre as crianças.
* Pedir curiosidades sobre o tema.
* Exposição dos trabalhos.

2 – Durante o ano serão revistos todos os temas anteriores, pois o projeto é a longo prazo e os resultados não aparecerão de imediato.

3 – Gravação de CD com apresentação de fotos durante a realização das atividades propostas nas três etapas do projeto.

4 – As atividades extras serão enviadas em pastas de E.V.A. ou envelopes pardos nas reuniões trimestrais.

5 – O projeto exige a participação constante dos pais, sendo assim, seria oportuno viabilizar tais informações com eles, criando uma parceria maior entre escola e família, durante todo o processo.

6 – Por ser um projeto anual, desejo que os meus alunos participem das tomadas de decisões, mesmo porque tudo dependerá do tempo que levaremos para o desenvolvimento das atividades do projeto.

PROJETO: “QUEM SOU EU?!”

Fase II - B
Período: Tarde
Duração: Um semestre
Ano: 2006

JUSTIFICATIVA:
Este projeto foi idealizado por sentir a necessidade de
proporcionar aos alunos um conhecimento mais amplo de si mesmo, das várias
nuances do ser humano, com enfoque nas áreas cognitivas, sócio-afetiva e
corporal, inseridos dentro do atual contexto sócio-histórico, e também conhecer
a função da escola dentro da sociedade, os alunos ingressam na escola sem saber
qual a razão porque estão sendo levados à escola, sendo que muitas vezes os
pais passam a idéia de que ir à escola para “ganhar” comida, lanche, e também
para brincar com outras crianças. Percebemos a necessidade de levar não só as
crianças bem como as famílias a perceber que ir a escola é uma das formas de
adquirir ou rever o conhecimento que cada criança traz consigo.

OBJETIVOS:

- Proporcionar ao aluno a apropriação de sua identidade.
- Conhecer a história e o significado de seu nome;
- Desenvolver a atenção para futura identificação de partes do corpo humano e os órgãos dos
sentidos;
- Construção de outros valores de vida.
- Aquisição de novas formas de relações.

CONTEÚDOS:
CONCEITUAIS:

* Identificação de si mesmo, do próximo, do ambiente que vive e do ambiente escolar.

PROCEDIMENTAIS :

* Participação em pesquisas.
* Exploração de retratos.
* Compartilhar experiências vividas.

ATITUDINAIS:

* Integração com os colegas e adultos no ambiente escolar.
* Respeito e valorização de si próprio e com os colegas.

JANELAS :
Linguagem Oral e Escrita:

- Rodas de conversas,
- Leitura e escrita do nome,
- Parlendas,
- Advinhas,
- Trava – língua,
- Histórias.

Matemática:
- Seqüência numérica,
- Contagem,
- Função dos números,
- Grafia de números,
- Leitura de números.

Artes:

- Desenho,
- Pintura,
- Recorte e colagem,
- Modelagem,
- Apreciação.

Natureza e sociedade:

- Esquema corporal,
- Órgãos dos sentidos,
- Animais de estimação.

Movimento:

- Circuitos,
- Brincadeiras,
- Psicomotricidade.

Música:

- Interpretarmúsicas infantis,
- Ouvir músicas clássicas e populares.

ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS:

- Preparar o material para a Dinâmica de iniciação, “Tesouro”.
- Providenciar fotos dos alunos para as atividades de auto -retrato.
- Providencias material para os alunos Desenharem seus auto – retratos.
- Elaborar pesquisas sobre a história dos nomes dos alunos.
- Juntar revistas para serem usadas nas pesquisas em classe pelos alunos.
- Confeccionar material de pesquisa e observação para uso dos alunos
referentes as diferentes características físicas dos seres humanos.(pessoas
altas, baixas, gordas, magras, brancas, negras, etc.).
- Pesquisar os significados dos nomes da turma.
- Prepara material necessário para desenvolver as seqüências de atividade a serem
trabalhadas durante o projeto. (anexas ao projeto).

ETAPAS:

- Em roda aplicar a dinâmica “Tesouro”.
- Incentivar a observação das igualdades e diferenças no grupo, (cor dos olhos, cabelos,
altura, etc.).
- Propor o agrupamento de acordo com as igualdades presentes no grupo, (comprimento do cabelo, altura, meninos e meninas, etc.).
- Iniciar as seqüências de atividades pela ordem proposta a baixo.

SEQUÊNCIAS DE ATIVIDADES:

1- Auto – Retrato.
2- História do Nome.
3- Atividades com nomes.
4- Esquema corporal.
5- Altura e peso.
6- Órgãos dos sentidos.
7- Número do sapato.
8- Animais de estimação.

PRODUTO FINAL:

Álbum Individual e mural coletivo.

Projeto: Esquema – Corporal e Órgãos dos Sentidos:

Alunos Atendidos: Crianças no período Pré-Escolar – 1o ou 2o ciclo de Educação Infantil.
Período: ( Mês em que será trabalhado)
Duração: De duas a três semanas.

Objetivos:
• Identificar todas as partes do corpo;
• Conhecer as partes do corpo;
• Reconhecer os sentidos;• Identificar e diferenciar as partes do próprio corpo com as partes do corpo dos amigos;
• Vestir-se e desvestir-se sozinhos.

O professor deverá:

Estimular as crianças a: rolar, agarrar, sentar, engatinhar, andar em
um pé só, andar sobre linhas – Trabalhando assim atividades de
Psicomotricidade;
• Estimular o raciocínio e a atenção;
• Estimular a Socialização
• Estimular as crianças a explorar todos os 5 sentidos de forma abrangente.
Culminância:
• Ginástica orientada com músicas;
• Montagem de um mural e de dois bonecões para brincar e enfeitar a sala de aula.
“O coração da criança é campo favorável a semeadura do bem”
Iniciando o projeto com uma dinâmica...

Auto-retrato:

Objetivo:
• Explorar a forma corporal como veículo de mobilização da fantasia e da criação. Desenvolvimento:

Num primeiro momento organizar a turma em trios e propor a brincadeira
do “João Bobo” – Em que um aluno fica no centro com o corpo rígido
deixando-se movimentar para frente e para trás pelos dois colegas.

Numa segunda brincadeira, ainda nos trios, propor que um aluno seja uma
“marionete”- deixando os outros dois colegas manipularem seu corpo,
adaptando-o a diferentes posições, de acordo com situações ou
sentimentos que queiram expressar. Sugerir que revezem dentro do grupo
de três.
• Numa terceira brincadeira o professor deve orientar, com
uma música clássica ao fundo, que os alunos, de olhos fechados, toquem
cada parte do corpo: cabeça, cabelos, rosto, braços, mãos, pernas, pés,
barriga etc.
• Em seguida, cada aluno deitará em uma folha grande o
suficiente para que a professora ou os colegas contornem o perfil do
seu corpo;
• Todos com seus perfis contornados deverão completar a figura de seu corpo acrescentando detalhes que o identifiquem;
• É interessante que tenha um espelho grande, onde o aluno consiga se ver inteiro e observe cada detalhe antes de desenhar;
• Concluir com a montagem de um mural com os auto-retratos do tamanho natural das crianças.

Na “rodinha”:

Num segundo momento o professor deve conversar de forma informal sobre
cada parte do corpo: boca, nariz, orelhas, braços, mãos, tronco,
pernas, pés...Para que servem? – O professor deve provocar as crianças
com esta pergunta paraCada parte do corpo que for citada.
• Deixar que os alunos se expressem livremente, fazendo as devidas colocações e orientações.

Ao fim da conversa sugerimos o trabalho com as músicas já bastante
conhecidas em sala de aula, as quais as crianças adoram e encontram-se
em um dos CDs que acompanha o presente projeto:

1 - Partes do Corpo:
Cabeça, ombro, joelho e pé.
Cabeça, ombro, joelho e pé.
Olhos, ouvidos, boca e nariz.
Cabeça, ombro, joelho e pé.
• Cantar a música dramatizando-a;
• Pedir que as crianças mostrem as partes do corpo em si e nos amigos;
• Mostrar gravuras e pedir que indiquem as partes do corpo.

2 - Pop Pop:
Coloque a mão para frente,
Coloque a mão para o lado,
Coloque a mão para frente,
Balança ela agora
Eu danço pop pop
Eu danço pop pop
Eu danço pop pop
Assim é bem melhor!
( Repetir com todas as partes do corpo possíveis. )
• Cantar a música dramatizando-a.

3 - Remexo:
Ponha a mão na cabeça
Ponha a mão na cintura
Dá um abraço no corpo
Dá um abraço doçura
Sai sai sai Oh!
Piaba Sai lá da lagoa.
• Cantar a música dramatizando-a.
Relaxamento...Aproveitar
a excelente fase da cantora e apresentadora Xuxa e do estímulo que
provoca nas crianças, concluir com o relaxamento da música: Feche os
olhos – Do CD Xuxa só para baixinhos 1 – Contém em um dos CDs que
acompanham o presente projeto.
Todas as músicas contidas no CD que
acompanha o projeto são excelentes para serem trabalhadas de forma
dramatizada, como uma ginástica cantada.
Se meu corpo falasse...Ler
de maneira lúdica e agradável um ou mais livros da coleção CORPIM de
Ziraldo. Comentar com os alunos o tema principal dos livros: As partes
do corpo e seus sentimentos, pensamentos, ações, ideais e planos
futuros. Propor aos alunos que imaginando a voz de cada parte do corpo
respondam perguntas como: Se o nariz falasse, o que ele diria? E o
dente cariado? E os seus pés depois de você andar muito? E a barriga
quando você come demais?Após esta etapa, quando o grupo estiver
bastante incentivado pedir que as crianças façam perguntas para as
partes do corpo dos amigos. Deixar que as crianças expressem suas
idéias, pensamentos, elaborem suas frases, intervindo o menos possível
– mas estimulando sempre, mostrando interesse na brincadeira.
Em um
segundo momento o professor – dinamizador deve propor que a turma
divida-se em grupos monte os quebra-cabeças das partes do corpo
Deixar que os alunos montem e desmontem enquanto houver interesse.
É interessante apresentar um cartaz com as partes do corpo e deixar fixo na sala de aula.
Montar
bonecos articulados com as crianças, fazendo-as pintar, e deixar que
brinquem a vontade por algum tempo – Modelos em anexo.
Os Sentidos...

tendo explorado bastante as partes do corpo, observado no espelho,
dançando, tocando-o, relaxando... Passar para a segunda fase do
projeto: Explorar os sentidos.
• Visão: Mostrar figuras coloridas
pequenas, médias e grandes; figuras preta e brancas pequenas, médias e
grandes; mostrar de longe, de perto, de muito perto – sempre
perguntando o que estão vendo e como. Provocar os alunos para que
percebam a importância da visão. E repetir a pergunta: Para que servem
nossos olhos?
• Audição: Brincar de identificar sons de
instrumentos, da natureza,vozes, barulhos em geral; falar bem baixinho,
falar alto, propor que todos sussurrem, gritem, fiquem em silêncio.
Enfim, através de diversas brincadeiras provocar para que percebam a
importância dos ouvidos e da audição. Repetir a pergunta: Para que
servem nossos ouvidos?
• Olfato: Brincar de distinguir diferentes
cheiros de olhos vendados – Dizer cheiros que agradam e os que
desagradam - provocando-os até perceberem a importância de nosso nariz,
de nosso olfato.
• Paladar: Brincar de provar diferentes tipos de
alimentos de olhos vendados – provocando-os até perceberem a
importância da língua, de nosso paladar.
• Tato: Brincar de sentir
diferentes texturas: algodão, lixa, esponja, água fria, água morna,
gelo etc.) – provocando-os até perceberem a importância do tato, de
sentir o toque. O professor pode criar uma caixa fechada com um buraco
apenas para caber as mãos das crianças, e dentro dela devem conter
diferentes materiais onde poderão tocar e dizer o que sentem se é macio
ou áspero. Outra brincadeira legal é: de olhos fechados, descobrir em
que parte dos eu corpo o colega está tocando.
Brincar com o corpo e com os sentidos...
O professor deve propiciar atividades diversas de Psicomotricidade:
• Pular em um pé som ao ritmo de uma música;
• Andar em cima de uma linha traçada no chão com uma bola na mão;
• Subir e descer escadas ao ouvir determinados sons;
• Engatinhar, saltar, com ritmo ou livremente;
• Virar cambalhota com auxílio do professor em um colchonete;
• Vestir e desvestir-se, com a roupa pedida, a cada ordem do professor;
• Dançar em diferentes ritmos;
• Pular entre bambolês;
• Imitar animais;
• Andar em curvas;
• Arremessar e agarrar bolas;
• Brincar de Chefinho mandou;
• Brincar de Morto-Vivo;
• Brincar de Estátua;
• Brincar de cabra-cega;
• E inúmeras outras atividades de acordo com a necessidade da turma, material disponível, tempo e desejo do professor...

Sugestões de Alguns Jogos de Trabalho com corpo e explorando os sentidos:
1
– Caçador de tartarugas:Os jogadores dispersam-se pelo pátio: são as
tartarugas. Ao sinal, o caçador sai correndo para pegar as tartarugas.
Estas evitarão ser apanhadas deitando-se de costas, pernas e braços
encolhidos, imitando tartaruga deitada de costas. Enquanto estiverem
nesta posição, não poderão ser caçadas. O jogador que for apanhado será
eliminado.
2 – Jogo das Cores:Sentados em círculos, os alunos devem
aguardar a indicação do professor.Ao indicar uma cor, exemplo: verde –
Todos devem sair correndo e tocar em algo da cor indicada.
3 – Me dá
um abraço:Os alunos devem estar distantes um do outro. Ao sinal
especificado: Três palminhas dadas pelo professor, por exemplo, todos
devem correr e encontrar um amigo para abraçar.
4 - Lobos e
Carneirinhos:Formação: Traçar no chão duas linhas afastadas cerca de 20
metros uma da outra. As crianças são divididas em dois grupos: lobos e
Carneirinhos. Cada grupo se coloca atrás de uma linha. O grupo dos
lobos fica de costas para o grupo dos Carneirinhos. Desenvolvimento: Ao
sinal do professor, os Carneirinhos saem a caminhar, o mais
silenciosamente possível, em direção aos lobos. Quando estiverem bem
próximo deles o professor diz: “Cuidado com os lobos”!Estes, então,
voltam-se rapidamente em partem em perseguição aos Carneirinhos. Os
Carneirinhos apanhados antes de alcançar a linha original ( de onde
vieram) passam a ser lobos. Na repetição da brincadeira invertem-se os
papéis.
Sugestão: Antes de proporcionar essa brincadeira, é
interessante que se explore o que se sabe e se discuta sobre esses
animais: Como são? Quem já viu um carneirinho? Quem já viu um lobo?
Onde? Quando? Se viu, o que achou do animal? Vamos imitar um lobo?
Vamos imitar um carneirinho?O professor deve explorar o tema de acordo
com o interesse das crianças.
5 - Onça Dorminhoca:Formação: Formar
com os alunos uma roda grande. Cada criança fica dentro de um pequeno
círculo desenhado sob os pés, exceto uma que ficará no centro da roda,
deitada de olhos fechados. Ela é a Onça dorminhoca.
Desenvolvimento:
Todos os jogadores andam a vontade, saindo de seus lugares, exceto a
onça dorminhoca que continua dormindo. Eles deverão desafiar a onça
gritando-lhe: “Onça dorminhoca”! Inesperadamente, a onça acorda e corre
para pegar um dos lugares assinalados no chão. Todas as outras crianças
procuram fazer o mesmo. Quem ficar sem lugar será a nova Onça
dorminhoca.
Sugestão: O professor poderá proporcionar um estudo
sobre a onça, de acordo com o interesse das crianças: Quem já viu uma
onça?Aonde? Quando? Como ela é? Como vive? O que come?Quem quer
imitá-la? Confeccionar uma máscara de cartolina ou papelão para aquele
que fará o papel da onça.
Partindo deste estudo, a criança, quando for desenvolver a atividade, criará um personagem seu relativo à brincadeira.
6
- Corrida do Elefante:Formação: As crianças andam à vontade pelo pátio.
Uma delas separada utiliza um braço segurando com a mão a ponta do
nariz e o outro braço passando pelo espaço vazio formado pelo braço. (
Imitando uma tromba de elefante).
Desenvolvimento: Ao sinal, o
pegador sai a pegar os demais usando somente o braço que está livre ( O
outro continua segurando o nariz). Quem for tocado transforma-se também
em elefante, logo, em pegador, adotando a mesma posição. Será vencedor
o último a ser preso.
Sugestão: As crianças, durante a brincadeira podem caminhar como um elefante.
Sempre é bom...
• Trabalhar com parlendas, adivinhas, trava-línguas;
• Desenhar livremente ou de maneira orientada – Exemplo: Desenhe seus olhos.
• Trabalhar pesquisas. Deixar que as crianças recortem e colem diferentes figuras de corpo humano;
• Usar as cantigas e brincadeiras de roda;
• Modelar bonecos, procurando colocar todas as partes do corpo;
Para
finalizar o projeto sugerimos a criação de um boneco do tamanho das
crianças feito de sucata – Nomeá-lo, listar suas características de
personalidade e caráter, cada parte do corpo que for sendo criada o
professor aproveita para revisar tudo que já trabalharam.

PROJETO CORES E FORMAS GEOMÉTRICAS

1) Tema: Brincando com Cores e Formas

2) Objeto Detonador: Este projeto tem o objetivo de fazer com que a criança
conheça as cores e formas que estão presentes em todos os ambientes em que
vive.

3) Justificativa
Nesta fase, é importante propiciar à criança a visualização, exploração,
contato e manuseio de diversos objetos que compõem o universo das cores e
formas, possibilitando a criança identifica-las.

4) Perfil do grupo
Crianças de dois anos de idade, participativas e curiosas em contínuo
processo de desenvolvimento e descobrimento do seu mundo.

5) Objetivos
- Conceituais:
• Identificar cores e formas.
• Nomear cores e formas.
• Ampliar vocabulário.
• Desenvolva percepções visuais, auditivas e táteis.
• Reconhecer a existência de diferentes formas, (ler) e interpretar.

- Procedimentais:
• Conhecer e nomear cores e formas.
• Aprender a usar as cores.
• Reproduzir cores e formas.
• Ampliar vocabulário.
• Reconhecer existência de formas e cores do mundo.
• Utilizar diversos materiais plásticos para ampliar suas possibilidades de
expressão.
• Produzir trabalhos de arte, utilizando linguagem do desenho, da pintura,
da colagem e da construção.
• Ampliar o conhecimento do mundo.
• Desenhar a partir do que foi observado.

- Atitudinais:
• Interessar-se e demonstrar curiosidade pelo mundo social e natural.
• Identificar, valorizar e reconhecer as cores e formas.
• Deleitar-se no momento de desenhar.
• Apreciar as artes visuais.
• Possibilitar a integração com pessoas e ambientes.

6) Janelas:
• Linguagem oral e escrita.
• Artes visuais.
• Natureza e sociedade.
• Matemática.
• Movimento.
• Música.

7) Etapas
- Organizar as crianças em rodinha de forma que todas possam olhar-se e
interagir. Conversar sobre as cores primárias e algumas secundárias e sobre
as formas (quadrado, retângulo, círculo e triângulo).
- Mostrar fotos coloridas, observando a diversidade de cores e ressaltando
suas formas. Perguntar a cor preferida de cada um, trabalhando com o lúdico
(a cor da roupa da criança, etc.).
- Realizar experiência com anilina nas cores primárias com água em
recipiente transparente para que observem o resultado.
- Apresentar os Blocos Lógicos e valorizar suas cores primárias. Permitir
que manuseiem. Propor as seguintes perguntas para despertar sua observação:
Vocês conhecem os Blocos Lógicos? Quais são essas figuras geométricas? Quais
suas cores?, Etc.
- Ouvir a música arco íris (Xuxa), acompanhando o ritmo com o material da
bandinha;
- Registrar com guaxe de cores variado o que mais chamou atenção da criança
na música;
- Folhar revistas e observar o que mais lhes chama a atenção;
- Confeccionar mural com figuras escolhidas pelas crianças;
- Pedir aos pais que mandem uma fruta de casa para fazer uma salada de
frutas, (explicar aos pais o objetivo da solicitação);
- Fazer uma salada de frutas junto com as crianças e usar as cores
trabalhadas. Registrar com colagem de recorte de frutas de revista.
- Levar as crianças a observarem as cores de tinta que temos.
- Registrar a cor vermelha: pintar com guaxe o coração.
- Registrar a cor azul: pintar um céu com buchinha e guaxe e colar estrelas.
- Registrar a cor amarela: pintar um girassol com cola colorida.
- Registrar a cor verde: papel crepom molhado e batido.
- Deixar as crianças misturarem as cores de tinta a seu critério e observar
as cores novas que descobriu;
- Falar as crianças, sobre o arco íris, se sabem o que é, quem já viu;
- Brincar com massinha nas cores do arco íris;
- Confeccionar um arco íris com as crianças. Registrar o arco íris usando
mistura de cores de tinta guaxe com buchinha.
- Conversar com as crianças sobre as cores da natureza e seres vivos
(peixes, mar e conchinhas). Registro com areia e guache misturados, colagem
de conchinhas e de peixinhos feitos com furador.
- Organizar um aquário na sala com um peixinho;
- Escolher um nome para o peixinho;
- Explicar as crianças quais os cuidados que devemos ter com o peixinho e
como proceder;
- Fazer registro de um peixe com colagem de papel celofane.
- Dividir a tarefa de cuidar do peixinho com as crianças;
- Explicar aos pais o objetivo da atividade e solicitar autorização para que
a criança leve o peixinho para passar uma noite em sua casa;
- Realizar um sorteio em sala e colocar em um cartaz, o roteiro do peixinho
para que as crianças possam saber quando será sua vez de levar para casa.
- Ouvir a música "Aquarela". Registrar, usando lápis de cor para aquarela.
- Explorar os livros da Turma da Mônica chamados: Turma da Mônica e as
Formas Geométricas e Turma da Mônica e as Cores. Contar a história e
permitir que as crianças manuseiem os livros. Registro (desenho com
interferência).
- Espalhar formas geométricas coloridas pela sala de aula e pedir que as
crianças as encontrem. Incentivar a dizerem o nome e a cor. Pedir que colem
esta figura em uma folha e que a partir dela façam um desenho;
- Fazer uma casinha com formas geométricas, e pedir que montem,
identificando qual é cada forma. Fazer também um prédio e comparar as formas
geométricas usadas;
- Brincar de jogo dos quatro cantos: desenhar um grande quadrado no chão, e
cada um fica num canto, e tem um pego. Quando a professora fala trocou, os
colegas tem que trocar de lugar e o pego tem que tentar entrar em um dos
cantinhos.
- Esconder em sala algumas formas geométricas. Mostrar uma forma e a turma
deve encontrar a mesma forma mostrada. Colocar formas geométricas nas
crianças e pedi-los para achar as mesmas formas;
- Registro da figura geométrica quadrado: pintar com guaxe o quadrado
apresentado e ao lado desenhar seu próprio quadrado na cor desejada.
- Registro da figura geométrica triângulo: utilizar um sorvete na casquinha
e pedir que coloram apenas o triângulo com giz de cera.
- Registro da figura geométrica retângulo: a partir do desenho de um
caminhão, pedir que coloram apenas a parte retangular.
- Brincar de bolinhas de sabão e enfatizar o formato. Registrar círculos
coloridos;
- Trabalho de registro: pintar de azul todos os quadrados. A outra forma
pinte como quiser.
- Trabalhar a bandeira brasileira. Fazer o contorno da bandeira brasileira.
Cortar vários pedacinhos de papel verde em formato de retângulo, vários
amarelos em formato de losango e vários azuis em formato de círculo. Montar
um mosaico da bandeira.
- Colar círculo amarelo numa folha e pedi-los para desenhar um sol.
- Realizar brincadeira na quadra: usar um grande lençol e várias bolinhas
coloridas (da piscina de bolinha) colocando todas as bolas em cima do lençol
e fazendo um grande quadrado com todos os alunos segurando-o. Dar um sinal e
propor que todos sacudam bem o lençol até todas as bolinhas caírem no chão.
Estas ficarão misturadas, então, propor que corram buscando as bolas por cor
para guardar.
- Trabalho de registro montando mosaico com as cores das bolinhas.
- Colar no chão um quadrado vermelho, um triângulo amarelo e um círculo
azul. Ir brincando: meninas dentro do círculo azul... Meninos no quadrado
vermelho... Meninas com cabelo preso no triângulo amarelo...

Avaliação
• Será feita avaliação ao longo do projeto observando o cumprimento de
etapas.

9)Duração
• Aproximadamente dois meses.

Projeto: AMADOS ANIMAIS

Tema: Os animais


Disciplinas:
Português,
Matemática, História e Geografia, Ciências , Ed. Artística e Literatura
Infantil

Duração: 1 semestre - ANO 2006

Temas Transversais: Ética, Cidadania , Meio Ambiente, Natureza e Sociedade

Série: 2º SÉRIES


Professoras: MARLENE, MARCIA, REGINA, SÔNIA e CILEIDE



Apresentação do projeto:

Este projeto visa estabelecer classificações em relação com os interesses
expressados pelo grupo.
A princípio serão trabalhados os animais que forem do interesse do grupo, que
se destacaram na roda de conversa.
A partir daí todo o trabalho se encaminhará em várias direções que despertarão
os conteúdos a serem trabalhados.
Juntamente aos tópicos direcionados a Ciências Naturais estarão também
presentes as fábulas na área de Literatura Infantil. Onde as crianças invadirão
o mundo da fantasia e de questões morais encontradas nas diversas fábulas
escolhidas pelo grupo.
Assim, cabe lembrar que os temas transversais serão discutidos e estarão sempre
presentes nos assuntos predominantes.


Justificativa:
O tema do projeto desperta o interesse natural das crianças desta faixa etária
que , em geral, contam com várias informações relativas a ele.

A leitura compartilhada estará voltada para animais e contará com diferentes
textos, de autores variados e em gêneros diferenciados o que facilitará o
acesso às informações relativas ao tema.

A proposta do assunto animais é de uma possível justificativa, pois, os animais
têm uma importante presença em seu mundo cotidiano( desenhos animados,
histórias, jogos) e além disso, possuem um importante caráter de identificação
de suas vivências pessoais e sociais.

Este estudo facilitará a correlação entre diversos animais e destes com seu
ambiente que serão aprofundadas e ampliadas em vários estudos.

Objetivos:

• Definir de diversos animais
suas principais características;
• Diferenciar vertebrados e
invertebrados;
• Conhecer os diversos animais
apontando para sua diversidade(locais onde vivem, sua alimentação, seus
hábitos e outras peculiaridades relativas a cada espécie);
• Correlacionar todo o estudo com
o desenvolvimento do processo de alfabetização.
Conceitos:

• Comparar diversos tipos de
animais através da observação;
• Refletir sobre as
características individuais de cada animal e risco de extinção;
• Identificar as características
específicas de cada grupo de animais;
• Saber identificar: vertebrados
e invertebrados, domésticos e selvagens, úteis e nocivos, aquáticos , terrestres
e aéreos, reprodução e habitat dos animais.
Procedimentos:

• Pesquisar a história de cada
animal do interesse do grupo;
• Coletar dados por meio de
pesquisas e observações;
• Usar diferentes fontes de
informação e relacioná-las;
• Selecionar alguns tipos de
animais para pesquisa;
• Classificar animais;
• Desenvolver atividades lúdicas;
• Desenvolver atividades
matemáticas;
• Montar jogos, tabelas e
gráficos;
• Elaborar cartazes, álbuns,
painéis, bonecos;
• Estabelecer ordem crescente e
decrescente;
• Comparar pesos e medidas;
• Formular questões pertinentes
que apontem para a caracterização de determinado animal;
• Selecionar informações
relativas a aspecto de pesquisa;
• Registrar o assunto
organizadamente de diferentes maneiras;
• Assistir a uma peça teatral;
• Associar escrita de nomes ,
letras e textos;
• Contar histórias para o grupo
mostrando gravuras de determinados animais;
• Se possível, Visitar um
Zoológico e Fazendinha dos Bichos;

Atitudes:

• Preocupar-se com a preservação
da natureza;
• Interessar-se pelo estudo
buscando novas informações relacionadas ao tema;
• Socializar as informações que
os alunos possuem sobre o tema;
• Classificar diferentes animais
pelas suas características(Diferenças e semelhanças);
• Construir um espírito de
cidadão preocupado com o risco de extinção de algumas espécies de animais;
• Organizar- se de forma coerente
os pensamentos em relação ao habitat de cada animal;
• Reconhecer o alimento
necessário ou preferido de vários animais;
• Identificar como vivem os
animais.

Conteúdos
relacionados ao projeto:



Português (linguagem oral e escrita)

Nomes
Letras iniciais de várias nomenclaturas
Reescrita coletiva(textos, filmes, histórias)
Escrita espontânea
Conversas, diálogos, expressão de sentimentos, imitações, rimas
Observação e manuseio de livros
Histórias
Situações do cotidiano que envolvam leitura e escrita;
As letras, o alfabeto
Formação de palavras , frase e pequenos textos
Números de letras e sílabas
Ordem alfabética
Interpretação de textos
Letras maiúsculas e minúsculas
Substantivo próprio e comum
Reescrita de textos e músicas
Rimas
Leitura
Observação e relatórios;
Cruzadinha;
Caça-palavras;
Produção de texto;
Dinâmicas de grupo;
Pesquisas;
Leituras informativas;
Músicas;
Poesias;
Listagens;
Leituras diversas;
Fábulas, contos, histórias;
Adivinhações.
Ditado diagnóstico;

Matemática
Quantidades
Cores
Texturas
Espessuras
Tamanho
Altura e comprimento
Peso
Temperatura
Orientação
Conjunto
Formas geométricas;
Espessurae largura
Orientação espaço- tempo
Distância
Numerais associados a quantidade
Numerais(leitura e escrita)
Interpretação de gráficos ou tabelas
Adição
Subtração
Formas geométricas
Situações problemas
Ordem crescente, decrescente
Sucessor e antecessor
Maior e menor
Painéis, tabelas e gráficos;
Uso do tangran

Ciências Naturais e os temas transversais(natureza
e sociedade, meio ambiente, ética e cidadania.
Moradia(habitat)
Órgãos do sentido
Alimentação
Conservação
A proteção da fauna
Animais em extinção
Partes do corpo
O dia e a noite
Diferenças entre os animais selvagens e domésticos
A família e os bichos de estimação
Locomoção dos animais
Classificação dos animais: Reptéis, Anfíbios, mamíferos, aves , peixes e insetos.
Espécies extintas
Metamorfose
Grupos sociais

Atividades:

Jogos diversos;
Quebra - cabeça;
Calendários;
Seqüência de figuras;
Desenhos dirigidos e espontâneos;
Recorte e colagem;
Dobraduras(origami);
Máscaras, fantoches e dedoches;
Móbiles;
Liga pontos;
Pinturas;
Dramatizações;
Mímicas;

Material didático/ recursos:

• Livros didáticos e paradidáticos;
• CDs/ som
• Televisão/filmes
• Sucatas
• Papéis diversos
• Folhas xerocadas
• Tintas e pincéis
• Lápis coloridos e giz de cera
• Hidrocor
• Máquina fotográfica
• Painéis
• Vídeo
• Revista/ jornais
• Livros de literatura infantil
• Cola
• Tesoura
• Fichas, figuras

Eventos relacionados ao projeto:

Teatro: Peça da Dona Baratinha


-Exposições

Maquetes

Álbum

Livros confeccionados na escola


Apresentações de :

Peças Teatrais
Dedoches
Fantoches
Contando histórias
Músicas
Fotos

Instrumentos de Avaliação:

Os projetos transformam a avaliação em um processo contínuo à realidade cotidiana
da sala de aula.

Considera- se alguns instrumentos de avaliação:

Observação do comportamento do educando: hábitos de trabalhos, relacionamento com os
amigos e professores, cumprimento das tarefas escolares, atitudes positivas ou
negativas com relação aos trabalhos escolares, capacidade de cooperação,
aproveitamento de tempo;

Trabalhos escritos ou de outra natureza qualquer produzidos espontaneamente;

Produtos de estudo ou de tarefas com relação as diversas situações escolares;

Dados registrados com referência diretas com o aluno ou em grupo.

(Desconheço o autor.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário